Funcionária de Boulos diz ter sido ameaçada com arma por eleitor de Bolsonaro

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
O candidato à Presidência da República, Guilherme Boulos, participa de sabatina no Abdib Fórum em São Paulo (SP), nesta segunda-feira (20). (Henrique Barreto/Futura Press)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma funcionária do comitê de comunicação do presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) disse ter sido ameaçada com uma arma de fogo por um simpatizante de Jair Bolsonaro (PSL).

A intimidação teria acontecido nesta quarta (29), em frente à sede psolista na rua Cardeal Arcoverde, na zona oeste paulistana.

"Enquanto estava em ligação, na frente do portão do comitê, um carro parado no trânsito, ao ler o nome de Guilherme Boulos no grafite da parede, reagiu com um grito 'Boulos é o caralho, Bolsonaro'", ela relatou à equipe do candidato.


"Assustada, não entendi e reagi com cara de quem não estava entendendo e disse: 'O quê?'. O motorista mais uma vez gritou Bolsonaro e eu retruquei dizendo 'fascista'. Após chamá-lo de fascista, ele mostrou uma arma prata de cano longo. No impulso saí em direção do carro para registrar foto da placa."

Discurso de Bolsonaro estimula atos como esse, diz PSOL sobre ataque a comitê
Em gabinete de Jair Bolsonaro, mulheres recebem os menores salários
Prometer mudança sem maioria é conversa fiada, diz Alckmin sobre centrão


A equipe da campanha foi ao 14º Distrito Policial registrar um boletim de ocorrência com a placa do automóvel, associada a um Chevrolet.