Funcionário que esfregou rosto em máscaras explicou ação: as infantis são 'muito bonitas'

O funcionário que esfregou o próprio rosto em várias máscaras de uma fábrica onde trabalhava na Coreia do Sul, onde o coronavírus causou 42 mortes e 6.593 infecções, disse que agiu dessa maneira porque achou os produtos, voltados para crianças, pequenos e muito bonitos e porque queria exibir seu novo emprego numa empresa famosa no país.

Segundo a imprensa local, ele aproveitou uma pausa no trabalho do gerente para tirar selfies roçando a face nos produtos, enquanto eram embalados, e publicar no seu perfil do Instagram.

As imagens do rapaz de 20 anos, contratado no último dia 25, repercutiram nas redes sociais e revoltaram consumidores, que se mostraram duvidosos com relação à segurança dos itens vendidos pela companhia, ainda mais por serem produzidos para o mercado infantil.

A Welkeeps emitiu um pedido formal de desculpas na quinta-feira e informou ter descartado 10 mil máscaras produzidas perto do turno do colaborador de meio período.

Leia mais: Coreia investirá R$ 6,5 bi na cultura em 2020 diante do sucesso global de 'Parasita' e BTS

Em um comunicado, a Welkeeps afirmou estar "extremamente arrependida por criar tanta preocupação e inconveniência", acrescentando que tomaria medidas para evitar que o episódio se repita.

O número de novos casos do coronavírus caiu para 505 na Coreia do Sul nesta sexta-feira, ante 760 no dia anterior, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KCDC).