Funcionários do Hospital de Campanha do Maracanã fazem protesto por falta de pagamento de salários

Rafael Nascimento de Souza
Funcionários do Hospital de Campanha do Maracanã fazem protesto por falta de pagamento de salários

RIO — Funcionários do Hospital de Campanha do Maracanã, gerido atualmente pela Fundação Saúde — que é vinculado à Secretaria estadual de Saúde, fizeram uma manifestação na manhã desta quinta-feira, em frente à unidade, para cobrar os salários atrasados. O grupo reclamou das mais de 60 demissões nos últimos dias e protestou contra a falta de pagamento. Os sindicatos dessas categorias afirmam que já há pessoas passando fome e sendo despejadas. Na próxima semana, enfermeiros e técnicos de enfermagem votarão a proposta de paralisação de suas atividades.

— Todos os trabalhadores (da saúde) estão com os salários atrasados. Nos últimos dias, mais de 60 funcionários foram mandados embora e não receberam seus salários que estavam atrasados, as verbas rescisórias e nenhum tipo de satisfação. Essas demissões são de funcionários de várias OSs. Hoje, temos problemas com todas as organizações — afirma a enfermeira Líbia Bellusci, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Rio.

Enquanto muitos funcionários já foram demitidos, os que trabalham no Hospital de Campanha do Maracanã temem pela demissão nos próximos dias.

— Atualmente, existem pouco menos de 25 pacientes lá dentro. Hoje, há uma expectativa de que quatro recebam alta médica. Já recebemos informação de que o estado prepara a desmontagem dessa unidade e os pacientes que estão aqui seriam levados para outros locais. Como ficará a situação dos trabalhadores? — indaga Líbia.

Segundo o sindicato dos enfermeiros, muitos dos trabalhadores estão passando fome e outros até já foram despejados de suas residências.

— Muita gente está passando necessidade. As pessoas estão sendo despejadas de casa, inclusive, porque não tem como pagar o aluguel. Muitos funcionários trabalham aqui e no Hospital da Mulher, em São João de Meriti. Então, essas pessoas estão sem salários dos dois locais. A situação está gravíssima — pontuou Líbia Bellusci.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Enfermeiros, a entidade vai entrar com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e no dia 21 está marcado um encontro. Na segunda-feira, enfermeiros e técnicos de enfermagem votarão a proposta de greve geral.

— Para a próxima semana vamos nos reunir, com enfermeiros e técnicos de enfermagem, para votarmos a greve. Além disso, vamos procurar a justiça para que ela resolva essa situação.

Em nota, o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), Organização Social contratada para gerir todos os sete hospitais de campanha do estado, afirmou que a unidade do Maracanã está sob a gestão da Fundação Saúde e que já encaminhou de forma tempestiva a folha de pagamento dos colaboradores referentes ao mês de junho.

Já a Secretaria estadual de Saúde informou “que a documentação inicialmente encaminhada pela OS apresentava inconsistências e que a Fundação Saúde cobrou correções”. A secretaria disse ainda que “os pagamentos só vão ser liberados quando comprovada a regularidade da prestação de contas”.

Nosso objetivo é criar um local seguro e atraente para os usuários se conectarem a interesses e paixões. Para melhorar a experiência de nossa comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários dos artigos.