Funcionário acusa mercado na BA de pedir recompensa por supostos ladrões antes de entregá-los ao tráfico

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Bruno Barros da Silva, 29 anos, e seu sobrinho, Ian Barros da Silva, 19 foram encontrados mortos no porta-malas de um carro, com marcas de tortura na segunda-feira (Foto: Reprodução)
Bruno Barros da Silva, 29 anos, e seu sobrinho, Ian Barros da Silva, 19 foram encontrados mortos no porta-malas de um carro, com marcas de tortura na segunda-feira (Foto: Reprodução)
  • Seguranças teriam espancado homens negros, acusados de furtar carne, e pedido recompensa de R$ 10 mil para não entregá-los a traficantes

  • Bruno Barros da Silva, 29 anos, e seu sobrinho, Ian Barros da Silva, 19, foram encontrados mortos no porta-malas de um carro, com sinais de tortura, na última segunda-feira (26)

  • De acordo com a Polícia Civil, a motivação do crime está relacionada ao tráfico de drogas e que ainda não é possível confirmar a relação entre o furto ao supermercado e os homicídios

Um funcionário de uma unidade da rede de supermercado Atakarejo, localizada no bairro de Amaralina, em Salvador (BA), afirmou que seguranças do estabelecimento teriam solicitado recompensas aos familiares de dois homens negros, acusados de furto de carne, para mantê-los vivos. 

Bruno Barros da Silva, 29 anos, e seu sobrinho, Ian Barros da Silva, 19, foram encontrados mortos no porta-malas de um carro, com sinais de tortura, na última segunda-feira (26), no bairro de Brotas, também na capital baiana.

Leia também

Segundo a rádio Bandnews, os seguranças teriam utilizado um celular corporativo para entrar em contato com familiares de Bruno e Ian para pedir dinheiro. Caso contrário, os homens iriam ser "entregues" a traficantes.

Segundo uma testemunha, que preferiu não se identificar, Bruno e Ian foram espancados por seguranças e por outros trabalhadores da loja antes de serem entregues para traficantes do bairro.

A testemunha contou que Bruno teria pedido para não morrer durante a surra. “Não faz isso comigo, tenho família e mulher”, teria dito a vítima.

Recompensa de R$ 10 mil

À rádio Bandnews, um parente do tio e sobrinho, que também preferiu não se identificar com medo, confirmou que familiares receberam a ligação e que a recompensa pedida no telefone foi de R$ 10 mil.

“Eles pegaram o celular de Bruno e começaram a ligar para algumas pessoas via WhatsApp pedindo 10 R$ mil reais para liberar os dois”, afirmou o familiar. Pelos cálculos do familiar, no entanto, os dois já estavam mortos.

Ainda segundo o jornal, que ouviu a testemunha presente no mercado, os traficantes esperaram tio e sobrinho na porta do mercado.

A reportagem do Yahoo! Notícias até conseguiu falar com a unidade do mercado onde os homens supostamente teriam sidos espancados antes de serem entregues a traficantes, mas foi orientada a ligar na unidade do bairro de Iguatemi para mais informações e um posicionamento. No entanto, não conseguiu contato.

Segundo a rádio, após o episódio, o gerente de prevenção da loja, de prenome Agnaldo, foi afastado da empresa.

Empresário milionário

O supermercado Atakarejo pertence a Teobaldo Costa, empresário que tentou carreira política na última eleição. Ele se candidatou a prefeito da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.

Considerado um dos maiores empresários da Bahia, em 2019, Teobaldo Costa investiu 60 milhões de reais na abertura de uma loja do grupo Atakarejo, localizada em Camaçari.

O que diz a polícia

De acordo com a Polícia Civil, a motivação do crime está relacionada ao tráfico de drogas e que ainda não é possível confirmar a relação entre o furto ao supermercado e os homicídios.

A facção criminosa que comanda o tráfico no bairro do Nordeste de Amaralina é o Comando Vermelho, grupo criminoso carioca que passou a comandar as atividades ilícitas na região no ano passado.