Funcionário confessa assassinato de patrão que teria se relacionado com mulher dele

Adilson Tinoco (foto) trabalhava com Aldo -- patrão assassinado -- há mais de dois anos. A vítima deixa esposa e dois filhos.— Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Adilson Tinoco (foto) trabalhava com Aldo -- patrão assassinado -- há mais de dois anos. A vítima deixa esposa e dois filhos.— Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Adilson Tinoco da Silva, foi preso suspeito de matar o patrão com uma barra de ferro em Acreúna, no sudeste de Goiás. O funcionário confessou o crime que segundo ele, foi motivado porque a vítima teria se relacionado com sua esposa.

O corpo de Aldo Brito da Costa, de 54 anos, foi achado em uma represa. A vítima trabalhava como eletricista e desapareceu na sexta-feira (26). A confissão do assassinato foi feita durante interrogatório.

Desde do desaparecimento da vítima, as polícias Civil e Militar procuravam pela vítima. Durante as buscas, até um helicóptero foi usado.

O delegado do caso, Elexandre Cezar Rossignolo, disse que o corpo foi encontrado na noite de terça-feira (30) e o funcionário de Aldo, havia confessado o crime.

“O autor, um funcionário de Aldo, foi preso e confessou a autoria do crime”, disse o delegado.

Adilson trabalhava com Aldo há mais de dois anos. A vítima deixa esposa e dois filhos.

Caso semelhante

O dono de um restaurante foi morto a facadas pelo próprio funcionário em março deste ano. Segundo testemunhas, não teve nenhuma discussão ou desavença antes de Carlos Alberto Camargo, de 48 anos, ser atacado nas costas e no tórax.

O suspeito trabalhava no local há 8 anos e tinha voltado há uma semana de uma licença médica. Ele foi contido pelos colegas de trabalho e preso em flagrante. O caso aconteceu em Piracicaba, interior de São Paulo.

Em depoimento à Polícia Civil, o autor do homicídio informou que, há dez anos, em uma viagem, o patrão abusou de sua mulher e sua filha, e esta teria sido a motivação do crime.