Funcionários dos Correios se recusam a trabalhar por falta de limpeza em unidade

Yahoo Notícias
Funcionários dos Correios da unidade da Brasilândia paralisaram os trabalhos nesta sexta-feira (Foto: Arquivo Pessoal)
Funcionários dos Correios da unidade da Brasilândia paralisaram os trabalhos nesta sexta-feira (Foto: Arquivo Pessoal)

Nesta sexta-feira, funcionários dos Correios da unidade da Brasilândia, zona norte de São Paulo, fizeram uma paralisação por falta de higiene no local. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios, já são sete funcionários da unidade infectados pelo novo coronavírus.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Camilo é diretor do Sindicato dos Trabalhos dos Correios e trabalha na unidade. Ele explica que “a paralisação aconteceu porque a empresa trata o trabalhador com descaso”.

“A gente já vem cobrando há um bom tempo a desinfecção da unidade, e no dia de hoje ocorreu apenas uma lavagem com água sanitária e mais nada, por isso nós paralisamos a unidades hoje”, afirma o carteiro. Há apenas uma funcionária que faz a limpeza da unidade da Brasilândia, onde trabalham cerca de 60 pessoas.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A demanda do sindicato e dos trabalhadores da unidade é de que a limpeza do local seja feita por uma empresa de desinfecção.

O funcionário conta que os Correios disponibilizaram a eles apenas uma máscara de pano, que deve ser lavada diariamente. O álcool gel chegou depois de muita cobrança do sindicato. “Conseguimos meia boca um álcool gel, as máscaras nós não tínhamos, luva até o momento não foi entregue aos trabalhadores. Condições péssimas de trabalho”, relata Camilo. “Infelizmente a empresa não valoriza o bem maior, que é a mão de obra do trabalho.

Leia também

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Questionado sobre o distanciamento social, o carteiro afirmou que “isso não existe” e que os funcionários ficam a um metro uns dos outros.

A reportagem entrou em contato com os correios, mas não obteve resposta.

Leia também