Funcionários da Starbucks criam seu primeiro sindicato nos EUA

·2 min de leitura
Starbucks workers speak to the media after union vote in Buffalo, New York, U.S., December 9, 2021.  REUTERS/Lindsay DeDario
Funcionários de unidades do Starbucks primeiro sindicato de trabalhadores de cafeteria, em Buffalo, Nova York. Foto: REUTERS/Lindsay DeDario
  • Funcionários da Starbucks criam sindicato nacional de trabalhadores da empresa nos EUA;

  • Sindicato representa marco trabalhista em um país de baixa sindicalização;

  • Criação de sindicato dos trabalhadores da rede tem apoio do Partido Democrata;

Os trabalhadores de duas cafeterias da Starbucks em Buffalo, no estado de Nova York, celebraram na última quinta-feira ao saber do resultado favorável da votação para constituir o primeiro sindicato dos Estados Unidos entre os mais de 8.000 estabelecimentos da rede de cafeterias do país norte-americano, de acordo com a agência EFE.

Leia também:

Três estabelecimentos se candidataram separadamente para formar outros sindicatos, mas apenas dois foram bem-sucedidos. Os resultados ainda não foram confirmados, dada a existência de várias células rejeitadas, mas o movimento representa um grande impulso simbólico para o movimento sindical na maior potência mundial, segundo a agência

Starbucks teme aumento dos custos com mão de obra

A Starbucks não escondeu seu descontentamento com o resultado da votação. “Se uma parte significativa de nossos funcionários se sindicalizar, nossos custos trabalhistas poderão aumentar e nosso negócio poderá ser adversamente afetado”, alertou a empresa em um comunicado. Esses esforços de organização sindical, acrescentou a nota, "podem ter um impacto negativo em como nossa marca é percebida e ter efeitos adversos em nossos negócios, incluindo nossos resultados financeiros", completou.

Diante dos esforços da Starbucks para impedir a votação, que incluiu o envio de dezenas de funcionários a Buffalo desde que os trabalhadores entraram com um pedido sindical no verão, a ala mais à esquerda do Partido Democrata se aliou aos trabalhadores. O senador de Vermont e ex-presidenciável Bernie Sanders, parabenizou a organização Starbucks Workers United por esta vitória "histórica". A rede de cafeterias, afirmou também o candidato à presidência nas últimas primárias democratas, "deveria parar de investir dinheiro na luta contra o sindicato e agora negociar contratos justos", segundo a agência EFE.

Em entrevista à EFE, o professor da CUNY University (City University of New York) em Nova York, Alan Aja, enfatiza o marco que representa para a luta sindical nos Estados Unidos, especialmente quando o nível de filiação é de pouco mais de 6% no setor privado e chega a apenas 1,2% entre os trabalhadores de lanchonetes e restaurantes. “Há uma onda de sindicalização do setor privado, onde, por meio da desregulamentação e de políticas públicas hostis, houve uma diminuição da sindicalização e dos direitos dos trabalhadores em geral nas últimas décadas”, afirmou o professor à agência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos