Fundação Roberto Marinho lança campanha no Dia da Educação para alunos e professores manterem ritmo de aprendizado

Yasmin Setubal*
Wilson Risolia é secretário-geral da Fundacao Roberto Marinho

RIO - Dia 28 de abril. Foram 24 horas inteiras devotas à educação, homenageada internacionalmente nessa data. Em meio ao cenário da pandemia de coronavírus, que tem impactado alunos e professores de todo o Brasil, a Fundação Roberto Marinho começou a segunda edição do Festival #Nem1pratrás, que conta com uma programação especial online e gratuita de atividades, nas redes sociais do Canal Futura, para auxiliar estudantes e educadores a seguirem firme na formação educacional durante o momento atual.

A iniciativa conta com a parceria de quase cem instituições ligadas à educação. O objetivo é distribuir soluções para facilitar o estudo em casa, já que a medida de confinamento domiciliar foi adotada pelas entidades políticas e de saúde. De acordo com o último Censo Escolar, a taxa de distorção idade-série alcança 16,2% das matrículas no ensino fundamental e 26,2% no ensino médio, o que comprova que temos um considerável número de pessoas que já ficavam para trás antes de a quarentena começar.

Outras atividades também estarão disponíveis para o acesso ao longo de toda a semana. Entre elas, estão aulas online temáticas com reforço escolar para Ensino Fundamental II e Ensino Médio, uma faixa especial do Canal Futura “Estude em Casa”, tutores online que ficarão disponíveis para auxiliar professores no uso dos conteúdos liberados, 600 videoaulas inéditas no YouTube do Canal Futura, jogos educativos do Clube Desafio Futura (CDF), série de vídeos com dicas para organizar rotina de estudos e outras iniciativas.

Para Mônica Pinto, gerente de desenvolvimento institucional da Fundação Roberto Marinho, a iniciativa é a forma que a empresa e as parceiras encontraram de estimular a população de falar sobre a educação como um valor essencial a sociedade, não a reduzindo a questão escolar.

— A educação é um direito de todo cidadão e um dever do estado de provê-la. Nenhuma civilização é justa e tem bem-estar social se não houver educação. E, nesse contexto da pandemia, estamos trabalhando dentro das condições que temos, que são adversas e desafiadoras. A ideia que tivemos para passar por esse momento difícil foi pensar em o que cada um de nós poderíamos fazer para garantir o direito dessas crianças e jovens de aprender, ler e brincar. Queremos manter essa alegria pelo conhecimento, porque ele transforma — afirma Mônica.

Ao longo de todo o dia 28, a programação digital tem como atividades a troca de experiências com educadores, lives com influenciadores digitais no Instagram abordando a relação da juventude com a tecnologia, dicas de empreendedorismo, dinâmicas musicais com grupos artísticos voluntários e outras ações.

— O Festival surgiu em 2019, a partir do lema "no one left behind", expressão criada pelo Fórum Social Mundial. E hoje representa um esforço coletivo pela valorização de agendas educacionais importantes. Queremos mobilizar a sociedade para uma educação de qualidade e, sobretudo , que auxilie estudantes, educadores e famílias a ter algum tipo de formação educacional durante o período de isolamento — explica José Brito, gerente do Canal Futura, na Fundação Roberto Marinho.

* Estagiearia sob a orientação de Bruno Alfano