Fundador da Anvisa critica ‘clima de guerra’ e falta de diálogo da agência com o Butantan

Extra
·2 minuto de leitura

Menos de 48 horas após suspender os testes da vacina contra a Covid-19 CoronaVac, produzida pela empresa chinesa Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan (SP), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta quarta-feira (11) a retomada dos estudos. A paralisação da pesquisa ocorreu após a notificação da morte de um voluntário, mas, ao receber informações oficiais de que se tratava de um suicídio, logo, sem relação com a vacina, a agência reformou sua decisão.

Fundador e ex-presidene do órgão regulador, o médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto disse que a decisão de suspender os testes, tomada antes de saber que a morte do voluntário havia sido por suicídio, foi acertada, mas criticou a falta de diálogo da agência com o Butantan:

— Assim que soube de um evento adverso grave, foi correto suspender os testes e descobrir o que tinha acontecido. Como era um evento envolvendo esfera criminal, é uma questão mais complicada, porque o IML tem uma velocidade de polícia, não de saúde pública. A única coisa que faria diferente seria conversar com o Butantan antes, eles não conversaram porque estão em clima de guerra.

Depois que os testes foram novamente liberados, Vecina disse à agência Reuters que a decisão “tranquiliza bastante, e segue o barco. Agora, com certeza Bolsonaro e Doria vão continuar jogando gasolina nessa fogueira, eu não tenho dúvida nenhuma”.

A decisão de paralisar a pesquisa ocorreu na noite de segunda-feira (9), após a Anvisa tomar ciência da comunicação sobre o “evento adverso grave” feita pelo Butantan. Na mesma noite, porém, a agência foi avisada de que a morte tinha sido por suicídio ou overdose. A informação, no entanto, não foi passada oficialmente, pelo canais eletrônicos de troca de dados entre instituições, e a suspensão foi mantida.

“Após avaliar os novos dados apresentados pelo patrocinador depois da suspensão do estudo, a Anvisa entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o EAG (evento agudo grave) inesperado e a vacina”, disse a Anvisa, em nota divulgada nesta quarta-feira.

A suspensão tinha virado um novo palco da disputa política sobre a vacina, com o presidente Jair Bolsonaro tendo comemorado a decisão da agência. O Brasil foi o único país a interromper os testes do imunizante, que é pesquisado também na China, na Indonésia e na Turquia.