Fundador do Koo quer contratar funcionários demitidos do Twitter

Mayank Bidawatka quer colocar os antigos funcionários do Twitter no Koo (Getty Image)
Mayank Bidawatka quer colocar os antigos funcionários do Twitter no Koo (Getty Image)
  • Número de usuários do Koo cresceu nos últimos dias;

  • Rede social está trabalhando para aperfeiçoar funcionalidades;

  • Cofundador de plataforma quer contratar ex-colaboradores do Twitter.

Quando Elon Musk começou a realizar uma série de demissões no Twitter e não abriu os escritórios da empresa, os usuários da rede social começaram a procurar alternativas para continuarem a desabafar em uma timeline que privilegia textos curtos organizados em ordem cronológica.

Por causa da ligeira semelhança como a plataforma do passarinho azul, o Koo rapidamente ganhou um grande número de acessos e criações de perfis em um curto período de tempo. No Brasil, as piadas com o nome da companhia ajudaram a impulsionar a curiosidade pela rede social indiana.

Mayank Bidawatka, cofundador do Koo, publicou um tweet dizendo que tem interesse em contratar alguns dos demitidos pelo concorrente.

“Muito triste de ver o #RIPTwitter e coisas relacionadas a isso. Vamos contratar alguns desses ex-empregados do Twitter enquanto continuamos a expandir e tornar nosso número maior, na próxima rodada. Eles merecem trabalhar onde seu talento é valorizado. Micro-blogging é sobre o poder das pessoas. Não sobre supressão”, declarou.

Bidawatka ainda anunciou que a plataforma vai tentar facilitar a vida dos usuários desistentes do Twitter. Para isso, o Koo vai adotar uma série de medidas para que a migração ocorra sem maiores transtornos.

“Em breve, permitiremos que você migre facilmente todos os seus Tweets antigos para o Koo”, disse o empresário em outra postagem. “E também ajudaremos a encontrar seus seguidores existentes no Twitter no Koo. Vamos mantê-lo informado”.

A empresa ainda declarou que está trabalhando para conquistar o público, investindo em traduções e melhorias no funcionamento da rede social. A ideia é manter os brasileiros interessados em usar o Koo sem problemas ou incômodos.