Funerária americana é acusada de se recusar a cremar corpo de idoso gay

Foto:John Gaspari/Lambda Legal/ AP

Um americano está processando uma funerária no Mississipi por supostamente se recusar a cremar o corpo de seu marido de 86 anos.

John Zawadski, de 82, afirmou que a funerária lhe disse que não prestaria mais os serviços depois de descobrir a sexualidade do companheiro dele, Robert Huskey.

Os dois estavam juntos há mais de 50 anos e estava legalmente casados desde 2015. Quando Huskey ficou doente, ele e o companheiro começaram a fazer os arranjos com a empresa, que garantiu que um representante cuidaria de tudo quando a hora chegasse.

Mas tudo mudou quando eles descobriram a sexualidade do falecido. Quando um sobrinho dele enviou um formulário identificando Zawadski como seu cônjuge, a funerária se recusou inflexivelmente a prestar os serviços.

Segundo reportagem do “New York Post”, eles teriam dito que não lidavam com gente “deste tipo”.

O episódio de preconceito fez com que a empresa fosse acionada legalmente a partir de uma iniciativa da “Lambda Legal”, uma organização LGBT sem fins lucrativos.

Em um comunicado emitido pela organização, Zawadski disse que se sentiu devastado ao saber da recusa da empresa para transportar e cremar o marido.

“Bob era minha vida, e sempre nos sentimos bem-vindos nesta comunidade. Então, em um momento de tal dor e perda pessoal, fazer o que eles fizeram comigo, com o Bob, não dá para acreditar. Ninguém deveria passar por isso”, acrescentou.