Fungo negro: Uruguai tem caso de mucormicose confirmado em paciente com covid

·5 minuto de leitura
Imagem de fungo em 3D
Uruguai registra caso de fungo negro em paciente que se recuperou de covid-19

Um homem de 50 anos que se recuperou da covid-19 foi infectado com o fungo negro, que causa a mucormicose, informou o jornal uruguaio El País na quarta-feira (26/5).

Segundo o jornal, o infectologista que atende o paciente, Henry Albornoz, indicou que o indivíduo, que também sofre de diabetes, começou a apresentar sinais de infecção por fungos cerca de 10 dias após ter se curado da covid-19.

O paciente, que havia sido internado na capital Montevidéu, fez exames laboratoriais que confirmaram a infecção com mucormicose, afirma o El País.

Albornoz ressaltou, entretanto, que não é possível especificar se esse é o primeiro caso no Uruguai porque a mucormicose não é relatada como um evento exclusivo de pacientes com covid-19.

"O importante não é a identificação de um caso, mas o aviso de que o desgaste imunológico causado pela covid-19 pode deixar um terreno fértil para outras infecções", disse Albornoz ao El País.

Risco de diabetes

A mucormicose é uma infecção rara, mas grave, causada por fungos do gênero mucor, abdsidia e rizopus, que afeta a cavidade nasal e os seios paranasais. A doença tem alta letalidade, cerca de 50%.

Nos últimos dias, a infecção chamou a atenção porque a Índia, que está passando por uma forte onda da pandemia de coronavírus, relatou mais de 9 mil casos da doença entre pacientes que se recuperaram da covid-19.

O distúrbio geralmente aparece em pacientes com algum tipo de imunodeficiência (diminuição da capacidade do corpo de combater infecções) como diabetes, AIDS ou tratamento com drogas imunossupressoras.

A Índia é um dos países com as maiores taxas de diabetes em adultos do mundo.

E os diabéticos, como no caso do paciente uruguaio, podem apresentar maior risco de ficarem doentes.

Caixa de reagente para teste PCR de covid-19
Acredita-se que os esteroides usados para tratar covid-19 podem ter um efeito na infecção por mucormicose

"A diabetes reduz as defesas imunológicas do corpo e o coronavírus a agrava. Os esteroides que ajudam a combater a covid-19 agem como combustível para o incêndio", disse Akshay Nair, cirurgião de Mumbai, à BBC.

Na verdade, os médicos acreditam que também pode haver uma ligação com os medicamentos esteroides agora usados para tratar a covid-19.

Os esteroides reduzem a inflamação nos pulmões e ajudam a deter alguns dos danos que podem ocorrer quando o sistema imunológico do corpo se acelera para combater o coronavírus, mas eles também reduzem a imunidade.

Os sintomas da mucormicose dependem da parte do corpo que é infectada.

Geralmente, ela infecta os seios da face e o cérebro, causando corrimento nasal, inchaço e dor em um lado do rosto, além de dor de cabeça, febre e morte do tecido.

A doença também pode afetar os pulmões, o estômago, os intestinos e a pele.

A infecção severa dos seios da face pode se espalhar até atingir o cérebro. O resultado pode ser uma doença invasiva e que pode matar.

Mulher alimentando pessoa em maca de hospital na Índia
A Índia registrou ao menos 9 mil casos de mucormicose em pacientes covid-19

Embora a infecção seja rara, ela apresenta uma alta taxa de mortalidade.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos, a taxa de mortalidade por causa da doença é de 54%.

Devido a essa agressividade, é necessário acelerar o tratamento, que muitas vezes inclui cirurgia para a retirada da parte danificada e o uso de medicamentos antifúngicos.

No caso do paciente uruguaio, foi relatado que após a recuperação da covid-19, ele passou a apresentar necrose (morte do tecido) na região da mucosa.

Exames laboratoriais confirmaram que ele havia sido infectado com mucormicose.

Conforme explicado por Albornoz, o paciente não tinha uma infecção grave de covid-19 e nem mesmo precisou de hospitalização.

"Mas cerca de 10 dias depois, os sintomas da infecção do fungo começaram e agora essa é sua principal batalha", disse o médico.

Os fungos que causam infecção são organismos comuns no ambiente, geralmente encontrados no solo, plantas, compostagem e frutas e vegetais em decomposição.

"Ele está em todas as partes e pode ser encontrado no solo e no ar, até mesmo nos narizes e nas membranas mucosas de pessoas saudáveis", disse Akshay Nair à BBC.

Epidemiologia

Agentes de saúde cuidam de pacientes com covid-19
A Índia registrou vários recordes mundiais de infecções e mortes por covid-19 nos últimos dias

A mucormicose é rara em alguns países e mais prevalente em outros.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a incidência anual é estimada em cerca de dois pacientes por milhão de habitantes.

Mas na Índia é 80 vezes mais comum.

Segundo estudo publicado em novembro de 2020 no Journal of Fungi, ocorrem cerca de 0,14 casos por 1.000 habitantes naquele país.

Essa mesma pesquisa também relatou que a diabetes é a principal doença subjacente em pacientes afetados por mucormicose em países de baixa e média renda.

Em países de alta renda, a infecção afeta mais pessoas com leucemia ou que passaram por transplante de órgãos.

De acordo com a Federação Internacional de Diabetes, cerca de 9% da população adulta sofre da doença, o que torna a Índia o segundo país com maior incidência no mundo, atrás apenas da China.

A verdadeira incidência de mucormicose entre pacientes com covid-19 ainda é desconhecida.

Mas, como diz David Denning, professor da Universidade de Manchester e especialista da instituição de caridade Fundo de Ação Global para Infecções Fúngicas (GAFFI): "Casos foram relatados em vários outros países, incluindo Reino Unido, Estados Unidos, França, Áustria...".

"Mas o volume é muito maior na Índia", disse o especialista à agência Reuters.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!