Funk faz sucesso no exterior, mas continua a ser atacado no Brasil, diz pesquisador

Anitta no Rock in Rio Lisboa
A funkeira Anitta é atualmente a artista brasileira mais famosa no exterior

Para o pesquisador Danilo Cymrot, embora o funk faça um estrondoso sucesso no Brasil e no exterior, o gênero musical continua enfrentando um processo de ataques e perseguição inclusive da lei. Para ele, a ascensão de funkeiros como Anitta, hoje a artista brasileira mais conhecida fora do país, não impedem que o estilo sofra com criminalização e repressão policial.

"Acho que existe uma síndrome de vira-lata também, que não valoriza nossa produção", disse em entrevista à BBC News Brasil.

Danilo Cymrot é mestre e doutor em Direito Penal e Criminologia pela Faculdade de Direito da USP. Desde 2013 ele é pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo. No mês passado, Cymrot lançou o livro O Funk na Batida (Edições Sesc), sobre a história da criminalização do funk por meio de projetos de lei que tentam disciplinar, proibir e censurar o gênero.

A obra mostra como o ritmo, desenvolvido nas periferias do Rio de Janeiro e de São Paulo, passou a ser associado à criminalidade e à violência, sofrendo perseguição da mídia e de parlamentares - tanto de direita como de esquerda.

Na entrevista, o autor falou sobre o histórico de estigmatização do funk nos anos 1990, o papel de parlamentares na criação de leis que dificultaram a realização dos bailes e o chamado funk proibidão, que aposta em letras sobre a violência na periferia e facções criminosas.

Por outro lado, Cymrot também comentou como os rolezinhos (encontro de jovens funkeiros em shoppings centers de São Paulo) desagradaram parte da periferia e de ambos os espectros políticos, sendo classificado tanto como "vendido ao capitalismo" como "fútil" por causa do perfil de baixa renda de seus participantes.

Confira a entrevista abaixo.

BBC News Brasil - Hoje o funk é o ritmo brasileiro de mais sucesso fora do país, ao mesmo tempo que ainda se diz perseguido por aqui. Por que essa contradição?

Danilo Cymrot - Mesmo com sucesso no exterior, ele continua atacado e desvalorizado no Brasil. Claro que um cantor de proibidão não vai fazer o mesmo sucesso da Anitta. Os funkeiros sabem que precisam moldar o discurso para atingir determinados públicos.

Veja o caso da música Deu Onda, do MC G15, que surgiu como um funk com linguagem explícita. Quando ela começou a fazer sucesso, ele mudou a letra para uma versão mais suave. Baile de Favela tocou na Olimpíada de Tóquio na apresentação da ginasta Rebecca Andrade, mas também foi uma música que teve sua versão original "adaptada" para atingir outros públicos.

Acho que existe uma síndrome de vira-lata também, que não valoriza nossa produção. Alguns artistas, mesmo quando são valorizados no exterior, são atacados aqui. O sucesso não traz necessariamente o reconhecimento. Eles são acusados de terem traído suas origens, como a Carmem Miranda, ou porque "estão manchando" a imagem do Brasil ao reforçar o "apelo sexual e vulgar dos brasileiros", como a Anitta e outros artistas.

BBC News Brasil - Por que você aponta um "arrastão" de 1992 como o início da criminalização do funk?

Cymrot - O primeiro baile funk, o Baile da Pesada, acontecia no Canecão, no Rio de Janeiro, antes da casa virar o "templo da MPB". Os bailes saíram de lá e passaram a acontecer em favelas e na periferia do Rio. Nos anos 1980, a elite intelectual na Zona Sul do Rio não sabia o que era funk. O primeiro contato foi nesse episódio conhecido como "arrastão".

Na verdade, o que aconteceu foi um encontro de duas galeras (grupo de jovens da periferia que se reuniam nos bailes). Elas saíram da Parada de Lucas e de Vigário Geral e foram para a praia de Ipanema, que, embora fosse um ambiente democrático, era privatizada por condomínios, hotéis e restaurantes voltados às classes altas.

Os jovens começaram a brigar como uma espécie de capoeira que misturava briga, brincadeira e dança. Algo parecido com o que acontece em um show de punk. Quem não estava familiarizado com a cena ficou muito assustado. Essa imagem de jovens negros correndo foi interpretada como um arrastão, porque já havia todo uma imagem construída do jovem negro periférico como um potencial assaltante.

Os participantes foram identificados pela imprensa como funkeiros, nome que virou quase um sinônimo de arruaceiro, marginal e ladrão. Vários pesquisadores, como o antropólogo Hermano Vianna, consideram esse episódio como o início da criminalização do funk.

BBC News Brasil - Além de um gênero musical, o funk também costuma ocupar o espaço público, e isso gera reações. Como essa característica influenciou a criminalização?

Cymrot - Historicamente, a reunião de jovens negros sempre causou desconfiança e medo na elite brasileira. No século 19, havia regulamentos que proibiam a circulação de ajuntamentos de negros escravizados ou até libertos. Existia a suspeita de que as aglomerações poderiam ensejar revoltas. A capoeira foi criminalizada por isso.

Na República Velha, negros circulando pela cidade eram acusados de vadiagem. O samba não foi proibido, mas sambistas foram presos e acusados desse delito. Então, a criminalização se repete com manifestações culturais da população negra e periférica, não é uma novidade no Brasil.

Jovens jogam capoeira
Por medo de uma 'revolta dos negros', autoridades brasileiras tornaram a capoeira crime no final do século 19

BBC News Brasil - Os chamados rolezinhos, quando jovens da periferia se juntavam em shoppings centers de São Paulo no início de 2014, também se enquadram nesse contexto?

Cymrot - Naquele momento, o shopping center tinha uma simbologia especial, porque o Brasil vivia um bom momento econômico, o ápice da era do consumo. Parte da população ascendeu socialmente por meio do consumo. Isso se refletiu no funk ostentação.

São Paulo não tem praia e os jovens se organizaram pelas redes sociais para se encontrar nesses locais. É importante dizer que eles já frequentavam esses lugares, era parte do cotidiano deles. E não eram shoppings da elite, mas na periferia mesmo, como Itaquera e Aricanduva.

E não são só pessoas brancas e ricas têm hostilidade ao funk, mas também gente das próprias periferias, que convive com o barulho, com os bailes nas ruas, com letras consideradas imorais pela religião evangélica que é muito presente na periferia. Como eles faziam barulho, cantavam e se divertiam em grupo, essa aglomeração foi reprimida por seguranças e pela polícia.

BBC News Brasil - Os rolezinhos podem ser considerados um movimento de protesto?

Cymrot - Alguns pesquisadores tentaram relacioná-los às manifestações de junho de 2013. Elas foram organizadas pelas redes sociais por jovens que tinham demandas sobre mobilidade e direito à cidade, mas também havia diferenças. Embora não tivessem um discurso político explícito, os rolezinhos expressavam o direito de circular pela cidade, contra o assédio policial e contra o racismo.

Outro ponto é que eles mostravam a necessidade de serem integrados por meio do consumo e, curiosamente, foram criticados por isso. Os rolezeiros foram criticados pela esquerda, que os chamavam de alienados e de se venderem ao capitalismo. E à direita, por ostentarem marcas e desejos de um luxo que não são associados a essa classe social.

BBC News Brasil - Os chamados pancadões também costumam incomodar muito parte da população da periferia, por causa do barulho. Como esse conflito gera repressão e leis que tentam disciplinar o funk?

Cymrot - Com a crise econômica a partir de 2015, os jovens que já não tinham muito dinheiro para frequentar baladas e shows de funk fechados passaram ainda mais a fazer os bailes no meio da rua, colocando uma caixa de som com volume alto. É um lazer barato. Drogas e bebidas também são consumidas ao ar livre.

Esses bailes então passam a ser reprimidos pela polícia, também porque são frequentados pelo público historicamente marginalizado. Drogas são usadas em baladas fechadas da classe média, mas essas não passam pelo mesmo nível de repressão

É claro que os pancadões causam uma série de transtornos, como poluição sonora e interrupção do tráfego. A questão é se a repressão policial aconteceria da mesma forma se fosse outra manifestação cultural em outras regiões.

Essa repressão gerou, por exemplo, 9 mortes em uma operação da PM em um baile de Paraisópolis em 2019. Mas o funk não é homogêneo. Muitos reconhecem que as pessoas da periferia têm direito ao sossego e não querem um baile funk na sua porta quatro dias por semana. Outros não querem o diálogo com o poder público porque há uma resistência e desconfiança em se submeter às regras.

BBC News Brasil - Seu trabalho mostra que projetos de lei que tentam disciplinar o funk e os pancadões foram produzidos por parlamentares de esquerda e de direita.

Cymrot - Tentei não ser maniqueísta dizendo que o funk foi criminalizado pelo estado policial e pela burguesia de direita. É mais complexo. De fato, os projetos desfavoráveis ao funk em maioria vêm da direita, de parlamentares ligados à polícia. Mas a esquerda também participou.

Políticos de direita criaram projetos de lei que pediam uma série de exigências que praticamente tornava impossível a realização dos bailes. Diziam: "O problema não é o funk, mas o barulho". Ao mesmo tempo, esses parlamentares também apresentaram ou apoiaram projetos de leis que reconheciam o funk como manifestação cultural e reservavam espaços para a realização dos bailes, como o sambódromo do Anhembi e o autódromo de Interlagos. É aquela coisa: "Não tenho nada contra o funk desde que ele não aconteça na minha porta".

Já no Rio é uma salada mais complexa, porque o funk está tão enraizado que se inseriu em várias instâncias da sociedade e dos partidos. A vereadora Verônica Costa (PL), por exemplo, é uma das parlamentares que mais têm projetos a favor do funk. E ela fez sua carreira política em vários partidos de direita.

Paraisópolis
Nove jovens morreram durante um baile funk na favela de Paraisópolis, em São Paulo, em 2019

BBC News Brasil - Mas como a esquerda também perseguiu o funk?

Cymrot - Primeiro, o funk sempre foi visto com certa antipatia por ser um "gênero alienado", principalmente em relação ao rap, que era mais politizado e respeitado artisticamente. É claro que isso não corresponde à realidade, porque sempre houve "funks conscientes" e com crítica social.

Segundo: muitos intelectuais de esquerda enxergam como manifestações populares ricas aquelas mais folclóricas, ou mesmo o rap, por conta de suas letras engajadas. O funk é visto como uma música pobre em termos de qualidade, descartável, um gênero imposto goela abaixo pela indústria cultural. Eu me pergunto se é uma 'música pobre' ou uma 'música de pobre'.

Mas essa ideia de imposição da indústria também não é verdadeira: o sucesso de um funk sempre começa nos bailes de rua, e só depois a indústria corre atrás para tentar tirar uma lasquinha.

O terceiro elemento que gera muita crítica da esquerda é a acusação de que o funk tem letras machistas e homofóbicas. Isso é verdade, mas também há muitos sambas, raps, forrós e sertanejos que também são machistas e homofóbicos. Os funkeiros são seres em uma sociedade que é assim, e isso acaba se refletindo em algumas letras. Não dá para generalizar e tratar isso como um problema só do funk.

O que a gente vê são muitas cantoras que questionam e respondem a esse machismo nas letras. Mas essas funkeiras são vistas com desconfiança por parte do feminismo mais ortodoxo porque elas reforçariam a objetificação do corpo da mulher, tendo em vista que muitas letras humilham os homens usando argumentos sexistas.

Então, o cenário é que o feminismo está rachado em relação ao funk, a esquerda também está rachada, e direita, idem. O funk gera todos esses conflitos.

BBC News Brasil - Como avalia o fenômeno do funk proibidão, que aposta em letras sobre crimes e facções criminosas?

Cymrot - Muita gente tem dificuldade de separar o autor do eu lírico. Não é porque uma pessoa está cantando uma coisa que ela viveu aquilo de fato, que aquelas histórias narradas aconteceram exatamente daquele jeito. Em várias culturas existe essa prática de contar vantagens nas músicas. Isso vale tanto pro funk proibidão quanto o chamado funk de putaria, com letras pornográficas.

Em muitas culturas, há essa valorização da figura do criminoso. Quando o Chico Buarque faz uma música sobre um traficante ninguém questiona se ele tem ligação com alguma facção. Mas se for um jovem negro, morador de favela, ele é sempre visto como alguém suspeito de ter envolvimento com o crime, vai ser chamado a prestar esclarecimento na polícia.

A verdade é que vários MCs já disseram que só fizeram funk proibidão por uma questão mercadológica, de vendas mesmo. Essas músicas contam uma realidade, ou são uma forma de exorcizar esse terror pelo qual esses artistas passam desde criança. É uma memória subterrânea da história do Brasil. E essa é uma realidade violenta com a qual a sociedade não quer conviver. Prefere matar o carteiro em vez de lidar com a mensagem.

BBC News Brasil - Isso não acaba glamourizando uma vida que não é boa para os próprios jovens?

Cymrot - Sim, muitos cantam o funk de facção não porque têm envolvimento com o crime, mas porque de certa forma a vida de um traficante é glamourizada como a de um sujeito que tem poder, dinheiro, contatos… Por outro lado, em comunidades que sofrem muito com a violência e corrupção policiais, cantar sobre as facções é uma espécie de revide simbólico. É como se o funkeiro dissesse à polícia: "Você pode me humilhar todos os dias, mas eu te respondo com uma batida e um funk".

Muitos funkeiros se incomodam quando um proibidão fica famoso, pois eles dizem que as músicas são feitas da comunidade para a comunidade, ou seja, o objetivo é que ele fique ali.

BBC News Brasil - Poderia falar um pouco sobre o pornográfico?

Cymrot - Existe uma tradição da música brasileira em falar sobre sexo, mas normalmente usando o duplo sentido. Na história, houve outras manifestações da população negra perseguidas por conteúdo tipo por sexual, como o lundu. O funk falar sobre isso de maneira tão explícita é quase uma novidade. Curiosamente, muitos MCs dizem que começaram a cantar esse estilo porque foram reprimidos quando cantavam o proibidão.

O auge do funk com apelo sexual no Rio de Janeiro, nos anos 2000, surgiu como uma resposta aos bailes de corredor, em que a proposta principal era organizar a briga entre o público. Também surgiu com grande participação de mulheres, que dançavam e subiam ao palco para cantar sobre o que gostavam de fazer, que também tinham direito de gozar etc.

Esse movimento foi até chamado de "neofeminista". Muitas funkeiras reclamaram disso publicamente, dizendo que só conseguiam espaço se cantassem esse estilo. E muitas não tinham nada a ver com esse universo, eram mais conservadoras e até evangélicas.

Mas há também um papel político de questionar os bons costumes. Então, quando fala sobre sexo de maneira explícita, o funk choca setores mais conservadores da sociedade.

BBC News Brasil - Nos anos 1990, no Rio, repercutiu muito o fato de jovens brancos de classe média passaram a subir os morros para ir aos bailes.

Cymrot - É aquela coisa: "Você não gosta de mim, mas sua filha gosta". Houve uma grande influência da mídia. Enquanto o mesmo canal mostrava no jornal o funk como uma cultura violenta, um programa vespertino, como o da Xuxa, convidava MCs para cantar e mostrar um "funk da paz", como a dupla Claudinho e Buchecha.

Os jovens da Zona Sul carioca se deixam contagiar pela batida e resolvem subir o morro. Isso gera um pânico nos pais. Eles achavam que o funk estava levando seus filhos para o mau caminho, para lugares perigosos.

Este texto foi publicado originalmente emhttps://www.bbc.com/portuguese/brasil-62355983

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos