Furacão Agatha deixa 11 mortos, desaparecidos e destruição no sul do México

Pelo menos 11 mortos, cerca de 20 desaparecidos e um panorama de destruição foram o rastro deixado pelo furacão Agatha pela costa do Pacífico mexicano, onde permanece o alerta diante das chuvas intensas.

Casas destruídas, estradas bloqueadas, ao menos duas pontes colapsadas e muitas comunidades isoladas fazem parte do balanço devastador que as autoridades do estado de Oaxaca (sul) informaram nesta quarta-feira (1º).

Entre os mortos há dois menores que moravam em uma comunidade do município de San Pedro Pochutla, na faixa costeira e por onde passou o centro do ciclone.

Uma corrente de água "se desviou, derrubou o morro e levou todos e quase todos morrem (...) junto com meu filho, morreu uma menina de dez anos", disse à AFP Juan Antonio Rodríguez após sepultar nesta quarta seu fiho de dois anos.

A maioria das mortes e desaparecimentos são registradas em comunidades encravadas na montanha, que continuavam isoladas devido ao fechamento de vias e algumas das quais continuavam sem comunicação telefônica.

"O rio o levou (...) Quando nos mandaram sair, queríamos pegar alguma coisa, mas não conseguíamos. Não trouxe um prato, um copo, nem uma muda de roupa, nem nada", disse à AFP Otilia Ríos.

Sua frágil casa, de telhado de folha e suportes de madeira, é uma das dezenas que foram varridas pelos ventos e as chuvas em Puente Copalita, uma pequena comunidade no município de Huatulco, perto da costa.

Ao percorrer essa zona, a AFP observou rios transbordados, caminhos fechados por galhos e árvores caídas.

Agatha, o primeiro furacão da temporada no Pacífico, atingiu a costa mexicana na tarde de segunda-feira nas proximidades de Puerto Ángel, deixando inicialmente apenas danos materiais, mas desencadeando chuvas intensas.

Os primeiros mortos foram divulgados na tarde de terça-feira e nesta quarta o governador de Oaxaca, Alejandro Murat, informou que totalizam 11 mortos e 22 desaparecidos.

Inicialmente, o funcionário estatal havia relatado 33 desaparecidos, mas depois esclareceu que entre eles estavam os 11 mortos. Além disso, indicou que aguarda maiores detalhes dos municípios mais afetados.

"Abraço os familiares daqueles que perderam a vida, desejo que encontremos os desaparecidos quando todas as comunidades puderem ser alcançadas, estaremos nessa busca", disse o presidente Andrés Manuel López Obrador em sua coletiva de imprensa matinal.

De acordo com a previsão do Serviço de Meteorologia mexicano, há uma probabilidade de 80% de que em cinco dias os remanescentes de Agatha saiam para o Atlântico com potencial de formação ciclônica, o que afetaria principalmente a Península de Yucatán.

- Chuvas persistentes -

Em San Pedro Pochutla, município por onde passou o centro do fenômeno, foram reportados dois mortos, ambos menores de idade, declarou a prefeita Saymi Pineda ao canal de televisão Milenio

As famílias afetadas "não quiseram sair de suas casas por medo de perder tudo e perderam praticamente tudo (...) foram seis horas de água e ventos fortes, foi desesperador", relatou.

A responsável explicou que uma Zipolite, uma conhecida praia de nudismo, houve uma “perda total” e não conseguiram comunicar com a zona cafeeira e serrana do município.

"Eles tiveram que caminhar 15 horas" para chegar da região serrana até a área municipal, acrescentou Pineda.

A maioria das mortes ocorreu em cidades localizadas nas montanhas, de difícil acesso e onde as estradas estão fechadas.

Murat explicou que há um helicóptero pronto no balneário de Huatulco para chegar aos municípios incomunicáveis, desde que as condições meteorológicas o permitam.

Oaxaca, um dos estados mais pobres, caracteriza-se pela dispersão populacional com mais de dois milhões de pessoas vivendo em comunidades de menos de 2.500 habitantes, muitas nas montanhas. Parte daí a dificuldade de estabelecer um equilíbrio preciso, explicou o governador.

Na área afetada, soldados e guardas nacionais foram mobilizados para limpar as estradas. Um censo também começou a determinar o número de casas afetadas e um trabalho está sendo feito para restaurar completamente as telecomunicações e a eletricidade.

O Serviço Meteorológico do México alertou que os remanescentes de Agatha produzirão chuvas em uma ampla área do sul e leste do país.

As autoridades de Oaxaca e estados vizinhos permanecem em alerta devido às chuvas persistentes.

Todos os anos, o México sofre com ciclones tropicais nas costas do Pacífico e do Atlântico, geralmente entre maio e novembro.

Em outubro de 1997, o furacão Paulina atingiu a costa do Pacífico mexicano como furacão 4 deixando mais de 200 mortos, sendo os estados de Oaxaca e Guerrero os mais afetados.

sem/dga/aa/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos