Furacão Fiona atinge Bermudas, e Canadá se prepara para grande impacto

Ondas e ventos continuam a atingir Bermudas após a passagem do Furacão Fiona.

Por Don Burgess e Eric Martyn

HAMILTON, BERMUDAS/HALIFAX, NOVA ESCÓCIA (Reuters) - O furacão Fiona atingiu a ilha atlântica das Bermudas com fortes chuvas e ventos na sexta-feira, enquanto seguia para o norte em direção ao leste do Canadá, onde ameaça se tornar uma das tempestades mais severas da história do país.

Fiona já havia atingido uma série de ilhas caribenhas no início da semana, matando pelo menos oito pessoas e cortando o fornecimento de energia elétrica para praticamente todos os 3,3 milhões de habitantes de Porto Rico durante uma onda de calor sufocante. Quase um milhão de clientes ficaram sem energia cinco dias depois.

A tempestade se aproximou das Bermudas como um furacão de categoria 4, mas diminuiu um pouco para a categoria 3 ao passar a oeste do território britânico na sexta-feira. Ainda assim, as rajadas chegaram a 166 km/h, afirmou o Serviço Meteorológico das Bermudas em um boletim.

A Bermuda Electric Light Co, a única fornecedora de energia da ilha, disse que cerca de 29 mil clientes, mais de 80% de sua base, não tinham eletricidade na manhã de sexta-feira.

Mas Michelle Pitcher, vice-diretora do Serviço Meteorológico das Bermudas, disse que o território parecia estar praticamente ileso.

Na tarde de sexta-feira, o furacão Fiona estava a cerca de 770 km ao sul da cidade canadense de Halifax, na Nova Escócia, costa leste do país, movendo-se para o norte a 56 km/h com ventos máximos sustentados de 215 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

A tempestade foi atualizada de volta para um furacão de categoria 4 na sexta-feira, o que significa que é capaz de causar danos catastróficos.

Embora possa enfraquecer à medida que viaja para o norte sobre águas mais frias, Fiona ainda deve ser um poderoso ciclone com força de furacão quando atravessar a costa atlântica do Canadá, disse o Centro Nacional de Furacões dos EUA.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS PB