Furacão Ian segue para as Carolinas e equipes de resgate correm na Flórida

Uma lancha destruída em cima de um carro é vista após passagem do furacão Ian, em Fort Myers Beach, na Flórida.

Por Brad Brooks e Brendan O'Brien

VENICE, Flórida (Reuters) - Equipes de emergência corriam na quinta-feira para chegar aos moradores isolados na Flórida, enquanto o furacão Ian segue em direção às Carolinas do Sul e do Norte, depois de traçar um caminho de destruição de costa a costa na Flórida, deixando para trás inundações mortais, linhas de energia derrubadas e prejuízos generalizados.

O Ian, uma das tempestades mais fortes a atingir o território continental dos Estados Unidos, inundou comunidades da Costa do Golfo e deixou milhões sem fornecimento de energia antes de atravessar a península até o Oceano Atlântico, onde recuperou a força antes de outro desembarque no continente, previsto na Carolina do Sul na sexta-feira.

O número de mortos na Flórida continua incerto em meio a relatos dispersos de vítimas.

O presidente norte-americano, Joe Biden, falando na sede da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) em Washington, disse que Ian pode ser o mais mortal da história do Estado.

"Os números ainda não estão claros, mas estamos ouvindo relatos iniciais do que pode ser uma perda substancial de vidas", disse Biden.

No condado de Charlotte, um porta-voz do departamento do xerife confirmou várias mortes, mas não tinha um número firme. As autoridades do condado de Sarasota estão investigando duas possíveis mortes relacionadas à tempestade, disse um porta-voz do xerife.

Um homem de 72 anos em Deltona, na região central da Flórida, morreu depois de sair durante a tempestade para drenar sua piscina, disseram autoridades.

Mais de 2,6 milhões de residências e empresas na Flórida permaneciam sem energia. O governador Ron DeSantis disse que os condados de Lee e Charlotte, que abrigam mais de 900 mil pessoas, estão "basicamente fora da rede".

Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte estavam se preparando para o impacto, pois Ian - que enfraqueceu para uma tempestade tropical durante sua jornada pela Flórida - retornou à força do furacão às 17h no horário local (18h no horário de Brasília), com velocidades máximas sustentadas de vento de 75 120 km por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Ian explodiu na Flórida na ilha de barreira de Cayo Costa na tarde de quarta-feira como um furacão de categoria 4, com ventos máximos sustentados de 241 km por hora.

A tempestade transformou a costa sudoeste da Flórida, pontilhada de praias arenosas, cidades costeiras e parques de trailers, em uma zona de desastre quando Ian varreu a água do mar para as casas à beira-mar.

"A Ilha Sanibel é a destruição... ela foi atingida por uma tempestade realmente bíblica. Ela arrasou estradas. Arrasou estruturas", disse DeSantis durante uma coletiva de imprensa enquanto descrevia os danos sofridos pelo popular destino de férias.

Ele disse anteriormente que 28 helicópteros estavam realizando resgates na água e que a ponte para a ilha estava intransitável.

Ao meio-dia de quinta-feira, moradores de áreas atingidas como Venice, localizada no condado de Sarasota, a cerca de 120 km ao sul de Tampa, caçavam familiares e amigos enquanto equipes de resgate trabalhavam para alcançar pessoas presas em casas inundadas.

A busca por entes queridos tornou-se mais difícil, pois os serviços de telefonia celular eram frequentemente cortados.

Em Punta Gorda, uma cidade diretamente no caminho do furacão, árvores, detritos e linhas de energia cobriram as estradas, embora muitos prédios permanecessem de pé, tendo resistido ao ataque da tempestade melhor do que muitos temiam.

Um número não especificado de pessoas ficaram presas depois de optar por permanecer em casa em vez de atender às ordens de retirada, segundo o governador.

"Muitas árvores caídas, muitas inundações por toda parte. Estamos tentando encontrar minha filha", disse Terri Byrd enquanto estava sentada em um veículo em um estacionamento do Walmart tentando obter serviço de celular depois de passar a noite em um escola primária em Venice.

"Esta é uma tempestade sobre a qual falaremos por muitos anos, um evento histórico", disse Ken Graham, diretor do Serviço Nacional de Meteorologia.

(Reportagem de Brad Brooks em Venice; Reportagem adicional de Brendan O'Brien, Jarrett Renshaw, Leah Douglas, Kanishka Singh e Tyler Clifford em Washington, Rich McKay em Atlanta e Dan Whitcomb em Los Angeles; reportagem adicional de Steve Gorman em Los Angeles)