Futebol egípcio em crise demite técnico da seleção ao vivo na TV

Ehab Galal ficou no cargo pouco mais de dois meses e soube da demissão através de um programa de TV. Foto: Ayman Aref/NurPhoto via Getty Images
Ehab Galal ficou no cargo pouco mais de dois meses e soube da demissão através de um programa de TV. Foto: Ayman Aref/NurPhoto via Getty Images

O futebol egípcio está novamente em turbulência, desta vez por causa das consequências da derrota dos faraós contra a Etiópia e da demissão do técnico nacional após apenas três jogos no comando.

O egípcio Ehab Galal sucedeu a Carlos Queiroz há dois meses, depois que o português não conseguiu chegar a um acordo para prorrogar seu contrato.

Leia também:

Mas a derrota por 2 a 0 contra a Etiópia nas eliminatórias da Copa das Nações Africanas de 2023 na semana passada deixou os egípcios furiosos e pedindo a demissão do técnico antes mesmo da derrota amistosa por 4 a 1 contra a Coreia do Sul na terça-feira (14).

Gamal Allam, chefe da Associação Egípcia de Futebol, ligou para um popular programa de entrevistas na TV esta semana para dizer que dois membros do conselho da EFA já estavam analisando possíveis substitutos para Galal, efetivamente demitindo-o ao vivo.

Galal, de acordo com relatos da mídia local, soube de sua demissão quando estava prestes a embarcar em um avião para Seul. Ele se despediu dos jogadores após o amistoso da Coreia do Sul e voou para os Estados Unidos de férias.

“Estamos procurando corrigir nosso erro”, disse Allam ao apresentador de TV Ahmed Moussa. Quando perguntado por que eles contrataram Galal em primeiro lugar, sua resposta levantou as sobrancelhas na nação louca por futebol de 103 milhões de pessoas.

“Perguntei ao responsável pelo dinheiro da federação se tínhamos dólares no cofre para pagar outro treinador estrangeiro. Ele me disse que não”, disse Allam. “Escolhemos um treinador egípcio por causa da situação econômica do país e da valorização do dólar.”

Ele disse que Galal estava ganhando 750.000 libras egípcias por mês (cerca de 200 mil reais), enquanto seu antecessor português Queiroz estava ganhando três vezes mais.

Relatos da mídia local disseram que Allam e membros da EFA devem deixar o cargo nos próximos dias, quando um substituto para Galal também será anunciado.

O Egito jogou contra a Etiópia sem o capitão Mohamed Salah e vários jogadores titulares lesionados, mas ainda era esperado para garantir o máximo de pontos no Grupo D contra adversários classificados 108 lugares abaixo deles pela Fifa.

O Egito perdeu para o Senegal nos pênaltis na final do Afcon em fevereiro e caiu para os africanos ocidentais novamente no mês seguinte, também nos pênaltis, desta vez em um play-off da Copa do Mundo de 2022.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos