Futuro líder do PSDB terá de unir as forças partidárias, diz Arthur Virgílio

Presente na convenção do PSDB que vai aclamar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) como novo presidente da sigla, o prefeito de Manaus e ex-ministro Arthur Virgílio (PSDB-AM) defendeu neste sábado (18) que o partido foque suas ações e campanha para o interior do Brasil, sem priorizar o eleitorado de São Paulo e grandes capitais, e consiga também unir forças partidárias.

Leia também:
PSDB começa a pensar nas eleições de 2014

Aécio quer ações 'em rede' de todos os setores da sigla
Aécio põe aliados de Serra e Alckmin na direção do PSDB


"Daqui para frente, é mergulhar no Brasil. Temos que falar menos para São Paulo, estudar mais a Amazônia, regiões vitais do país que são esquecidas pelos partidos", afirmou Virgílio, que foi ministro da Secretaria-Geral da Presidência na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

A Convenção Nacional do PSDB, que acontece em Brasília, irá delinear estratégias visando às eleições presidenciais de outubro de 2014, para as quais a atual presidente, Dilma Rousseff, já desponta como favorita. O debate sobre o ano eleitoral reúne os principais líderes do PSDB e elege como novo presidente do partido o senador Aécio Neves, provável candidato presidencial em 2014.

Para Virgílio, o mineiro deve se empenhar em buscar apoio dentro da sigla, inclusive do ex-governador de São Paulo José Serra."Se alguém pretende ser candidato, precisa conquistar esses apoios. A bola está nos pés de quem vai liderar o partido. Ele [Aécio] precisa seduzir o PSDB", afirmou.

No mesmo tom, o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) afirmou que os tucanos precisam se aproximar do eleitorado de baixa renda --principal foco do governo petista. "Nas classes A e B, nós vamos ganhar. Temos que ir para as classes D e E", disse.

Logo no início da convenção, parlamentares tucanos voltaram as suas críticas ao PT e ao governo da presidente Dilma Rousseff.Alguns deputados do PSDB chamaram os petistas de "tiranos" e "irresponsáveis" no governo do país --e lançaram o nome de Aécio como adversário de Dilma em 2014.

"Esse governo irresponsável e incompetente não pode mais ficar onde está", disse o deputado Izalci Lucas (PSDB-DF). "Temos que tirar esses tiranos do PT que estão no poder", completou o ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

O deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da bancada evangélica da Câmara, lançou o nome de Aécio à Presidência em 2014. "Hoje vamos eleger o Aécio presidente do PSDB. Mas em 2014, é o Aécio presidente do Brasil."

Com informações da Folha de S. Paulo

Carregando...

Siga o Yahoo Notícias