Fux cita atraso do TSE e ataque ao STJ para cobrar aprimoramento em segurança do Judiciário

MATHEUS TEIXEIRA
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25.09.2019 - O ministro Luiz Fux.  (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25.09.2019 - O ministro Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira (18) que o Judiciário precisa de aprimoramento na área de tecnologia.

A declaração foi dada na abertura da primeira reunião do Comitê de Segurança Cibernética do Poder Judiciário. O ministro disse que fez questão de participar do encontro para "dar uma satisfação à sociedade" devido ao atraso na divulgação do resultado das eleições e ao ataque hacker ao sistema do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

"Nós também não podemos desconhecer uma realidade presente, que foram os eventos que ocorreram no STJ, que ficou praticamente uma semana parado, e no TSE, que também noticiou que houve problemas lá na apuração das eleições em decorrência de, digamos assim, incidente relativos à área digital que nós precisamos nos aprimorar", ressaltou.

Fux relatou que abriu mão de estar presente na abertura da sessão do STF desta quarta para participar do início da reunião do órgão, que foi criado por ele mesmo e é vinculado ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

"Como o comitê é de importância ímpar, fiz questão de pedir à vice-presidente do Supremo que iniciasse os trabalhos lá para dar satisfação à sociedade que, diante de todos incidentes que ocorreram, estamos aqui tentando nos nos aperfeiçoar", afirmou.

Fux observou que "os avanços têm seus preços" e que é necessário um aperfeiçoamento do Judiciário na área tecnológica.

"É preciso aprimorar todos os meios para que possamos entregar ao cidadão um trabalho à semelhança daquele realizado pelas mãos humanas", frisou.

Segundo o presidente do STF, que também comanda o CNJ, o comitê foi criado diante da necessidade de se entregar "uma Justiça digital imune de incidentes".

O ministro disse que o grupo irá definir estratégias para melhorar o sistema virtual da Justiça.

O comitê é formado por especialistas da área de segurança cibernética de diversos tribunais do país, além de convidados do Comando de Defesa Cibernética do Exército, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, da Polícia Federal, da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia e de especialistas renomados na área.

Fux fez referência ao atraso na divulgação do resultado das eleições municipais realizadas no último domingo. O Tribunal Superior Eleitoral informou que o problema ocorreu devido à mudança no sistema de totalização de votos, que era feito pelos tribunais regionais eleitorais e, neste ano, pela primeira vez, ficou concentrado no TSE.

Inicialmente, a corte alegou que a lentidão no sistema tinha acontecido por causa do problema em um dos processadores do supercomputador fornecido ao TSE para totalização dos votos.

Depois, porém, a corte afirmou que, na verdade, a demora ocorreu pela dificuldade da inteligência artificial do equipamento em contabilizar os votos depositados em todas as urnas do país.