Fux defenderá TSE e pedirá respeito e paz nas eleições

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  08-12-2020, 12h00: O presidente do STF MInistro Luiz Fux e o Ministro de estado da Economia Paulo Guedes participam de seminário sobre a retomada da economia e o papel do judiciário. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 08-12-2020, 12h00: O presidente do STF MInistro Luiz Fux e o Ministro de estado da Economia Paulo Guedes participam de seminário sobre a retomada da economia e o papel do judiciário. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, vai defender a Justiça Eleitoral em seu discurso de abertura dos trabalhos da corte neste semestre.

A fala é tradicional na volta dos magistrados ao trabalho, depois do recesso de julho. Em alguns momentos, no entanto, ela se reveste de maior importância por causa do contexto político.

Em pleno ano eleitoral, ministros do STF e do TSE estão sob intenso ataque do presidente Jair Bolsonaro, que faz recorrentes discursos para tentar desqualificar as eleições brasileiras.

Os principais alvos dele são o ex-presidente do TSE Luís Roberto Barroso, o atual comandante do tribunal, Edson Fachin, e o futuro presidente da corte eleitoral, Alexandre de Moraes -que também comanda o inquérito das fake news.

Fux vai elogiar os três, e ainda defender a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro.

O magistrado pedirá respeito, tolerância e paz para que os brasileiros passem pelo atual ciclo eleitoral em paz.

Ele não deve citar Bolsonaro em sua fala, preferindo generalizar o pedido por tranquilidade para todos os candidatos que vão participar do pleito.

O presidente da República vem novamente aumentando o tom de suas falas, que são consideradas golpistas. E chegou a convocar seus seguidores para um ato no dia 7 de setembro que terá inclusive o desfile de tanques das Forças Armadas na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.

O presidente da República está em segundo lugar nas pesquisas eleitorais. Segundo sondagem divulgada pelo Instituto Datafolha na semana passada, ele tem 29% dos votos, e perde do ex-presidente Lula, que seria hoje eleito presidente com o voto de 47% dos eleitores brasileiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos