Fux e Pacheco reagem a Bolsonaro e defendem democracia e processo eleitoral

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASÍLIA, DF, 03.05.2022 - REUNIÃO-DF: Os presidente do STF, ministro Luiz Fux, e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante reunião em Brasília, no DF, nesta terça-feira. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 03.05.2022 - REUNIÃO-DF: Os presidente do STF, ministro Luiz Fux, e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante reunião em Brasília, no DF, nesta terça-feira. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

Os presidentes do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), se reuniram nesta terça-feira (3) e divulgaram manifestações públicas em defesa do processo eleitoral e da harmonia entre Poderes.

O posicionamento ocorre após seguidos ataques de Jair Bolsonaro (PL) à Supremo e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e da participação do presidente em ato contra a corte no último domingo (1º).

Em nota, o STF afirmou que Fux e Pacheco "conversaram sobre o compromisso de ambos para a harmonia entre os Poderes, com o devido respeito às regras constitucionais".

"[Eles] ressaltaram que as instituições seguirão atuando em prol da inegociável democracia e da higidez do processo eleitoral", disse o comunicado.

Após o encontro desta terça, que durou 45 minutos, Pacheco disse à imprensa que "o diálogo é fundamental" e é preciso "alinhar" os Poderes contra arroubos antidemocráticos.

"Nós temos uma obrigação comum de enfrentar arroubos antidemocráticos, temos de preservar a democracia, preservar o Estado de Direito e garantir que as eleições aconteçam no Brasil dentro da normalidade que a sociedade espera", afirmou.

O parlamentar disse não considerar que o STF esteja isolado. Integrantes da corte são alvos de constantes ataques verbais por parte de Bolsonaro e seus aliados. Parte das declarações estão relacionadas ao sistema eletrônico de votação.

No último domingo, quando apoiadores do presidente foram às ruas e renovaram os ataques à cúpula do Judiciário, Pacheco criticou os atos. Ele afirmou nas redes sociais que "manifestações ilegítimas e antidemocráticas, como as de intervenção militar e fechamento do STF, além de pretenderem ofuscar a essência da data, são anomalias graves que não cabem em tempo algum".

Após o encontro desta terça, ele comentou que se pode "permitir que o acirramento eleitoral, que é natural do processo eleitoral e das eleições, possa descambar para aquilo que reputei anomalias graves e se permitir falar sobre intervenção militar, sobre atos institucionais, sobre frustrações de eleições, sobre fechamento do Supremo Tribunal Federal".

"São anomalias graves que precisam ser contidas, rebatidas com a mesma proporção a cada instante, porque todos nós, todas as instituições têm obrigação com a democracia, com o Estado de Direito e com o cumprimento da Constituição. E esse alinhamento se faz através de diálogo."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos