Fux pede respeito a adversários e civilidade na eleição em meio a ataques de Bolsonaro

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.04.2022 - O presidente do STF, Luiz Fux. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.04.2022 - O presidente do STF, Luiz Fux. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, pediu nesta segunda-feira (1º) que os candidatos às eleições deste ano "respeitem os seus adversários" e disse que confia "na civilidade dos debates e, principalmente, na paz que nos permita encerrar o ciclo de 2022 sem incidentes".

O discurso do presidente do Supremo acontece na primeira sessão da corte após o retorno do recesso de julho do Judiciário, em meio a uma escalada de ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) à corte e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Bolsonaro não foi citado nominalmente na fala de Fux.

Como antecipou a coluna de Mônica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo, Fux elogiou os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes, atual e futuro presidente do TSE.

Também elogiou os próximos presidente e vice-presidente do Supremo, ministra Rosa Weber e Luís Roberto Barroso, que assumem os cargos em setembro.

"Rememoro que, daqui a dois meses, a população brasileira vivenciará um dos momentos mais sensíveis de um regime democrático, qual seja, as eleições, nas quais se externa o exercício do direito-dever inalienável de cada cidadão, que se consubstancia no voto popular", disse Fux.

"Felizmente, nossa democracia conta com um dos sistemas eleitorais mais eficientes, confiáveis e modernos de todo o mundo, mercê de ostentar no seu organismo uma Justiça Eleitoral transparente, compreensível, e aberta a todos aqueles que desejam contribuir positivamente para a lisura do prélio eleitoral."

Ele afirmou que o STF "anseia que todos os candidatos aos cargos eletivos respeitem os seus adversários, que não são seus inimigos; confia na civilidade dos debates e, principalmente, na paz que nos permita encerrar o ciclo de 2022 sem incidentes".

"É que, a despeito de nossas ricas e salutares diferenças de ideais, opiniões e perspectivas, somos um só povo e um só país. Nesse contexto de pluralidade e de interdependência, a prosperidade do nosso Brasil —seja qual for o resultado das urnas— exige que, ao longo de todo esse processo, sejamos capazes de exercer e de inspirar nos nossos concidadãos os valores da civilidade, do respeito e do diálogo. "

Disse ainda que todos têm liberdade constitucional de se manifestar e expressar suas divergências, "sem censuras ou retaliações".

Contudo, acrescenta, "forçoso ter em mente que o exercício dessas liberdades exige respeito e responsabilidade para com o próximo e para com o país".

Em pleno ano eleitoral, ministros do STF e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) estão sob intenso ataque do presidente Jair Bolsonaro (PL), que faz recorrentes discursos para tentar desqualificar as eleições brasileiras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos