Fux recebe Bolsonaro fora da agenda e pede que indicação ao STF seja anunciada após saída de Marco Aurélio

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.12.2020 - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.12.2020 - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, pediu nesta terça-feira (8) ao presidente Jair Bolsonaro que aguarde a aposentadoria do ministro Marco Aurélio, que ocorrerá no próximo dia 5 de julho, antes de indicar seu sucessor.

Com a solicitação, o chefe da corte visa evitar constrangimento similar ao ocorrido em outubro do ano passado, quando o chefe do Executivo indicou Kassio Nunes Marques antes de Celso de Mello deixar o tribunal.

A conversa entre Fux e Bolsonaro aconteceu nesta terça na sede do STF. O encontro não constava na agenda de nenhum dos dois e ocorreu pouco depois de o Supremo marcar para a próxima quinta-feira (10) a análise de ações que contestam a decisão do governo federal de receber a Copa América no Brasil.

Segundo a assessoria do STF, porém, esse tema não foi tratado na reunião.

"O ministro Fux pediu que, por cortesia, o presidente da República aguarde a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello, que será no início de julho, antes de indicar um novo nome para o cargo", informou a corte por meio de nota.

Ainda segundo o tribunal, o presidente do Supremo foi quem convidou o chefe do Executivo a visitar a sede do STF.

"Após falarem ao telefone, eles combinaram a visita e por isso não foi incluída nas agendas oficiais. O encontro durou 20 minutos e ocorreu no gabinete da presidência da corte", diz a nota.

O ministro da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, chefe do órgão que faz a defesa judicial do Executivo no Supremo e favorito para a vaga de Marco Aurélio, não participou do encontro.

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, também disputam a vaga no Supremo. Bolsonaro tem afirmado que escolherá um nome "terrivelmente evangélico" para o tribunal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos