Gás natural fica mais caro para residências e automóveis no Rio em agosto

Enquanto a gasolina deve ficar mais barata nos próximos dias, depois de a Petrobras anunciar a redução no preço de venda às distribuidoras, as tarifas de gás natural vão ficar mais caras a partir da próxima segunda-feira (dia 1º) no Rio.

A Naturgy, concessionária que opera a distribuição do combustível no Rio, anunciou um novo reajuste nesta quinta-feira (dia 28) tanto para o gás encanado quanto para o Gás Natural Veicular (GNV).

Combustível em queda: Petrobras reduz preço da gasolina de novo em menos de duas semanas

Problema ou solução? Por que Bolsonaro, que já chamou lucro da Petrobras de ‘estupro’, quer agora mais dividendos dela e de outras estatais

De acordo com a empresa, o reajuste deve atingir pouco mais de 1 milhão de clientes e 630 postos de combustíveis em todo o estado, e acontece por conta do aumento no custo de aquisição do gás natural fornecido pela Petrobras. O último aumento aplicado pela estatal às distribuidoras foi de 19%, em abril.

"São custos não gerenciáveis pela Naturgy e, portanto, o aumento do preço não traz nenhum ganho para a distribuidora", justificou a companhia.

As porcentagens de aumento são diferentes para o tipo de cliente e a localização. Na Região Metropolitana do Rio (CEG), o reajuste será em média de 0,2% para os clientes residenciais. O aumento vai elevar a taxa mínima, de clientes que consomem até 7 m³/mês, dos atuais R$ 67,02 para R$ 67,15.

Nos estabelecimentos comerciais, o reajuste também será de 0,2%, e nas indústrias, 0,4%. Já no interior do Estado (CEG Rio), o aumento é de 1,0% para as residências, aumentando a tarifa mínima de R$ 52,83 para R$ 53,36. O reajuste nos comércios será de 1,1% e nas indústrias, 1,9%.

Aumento na hora de abastecer

O reajuste também vai elevar o preço do GNV para os automóveis. Na capital e região, o aumento é de 0,4% para no preço do combustível vendido aos postos, e 1,9% no restante do Rio. O repasse aos motoristas, no entanto, varia de acordo com o estabelecimento.

– Vai depender de cada empresário, que sabe seus custos. O posto é quem decide seus preços, mas acho que ainda não devem repassar (o reajuste) de imediato, até por conta da redução da energia, então acho possível que (os postos) absorvam e segurem o aumento por um tempo – explica Manuel Fonseca da Costa, presidente do Sindicato dos Postos de Serviço do Rio de Janeiro (Sindcomb).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos