G10 Favelas quer mostrar potência de comunidades periféricas

O G10 Favelas - bloco de líderes e empreendedores de impacto social das favelas - preparou uma programação especial para hoje (4), data em que se comemora o Dia da Favela.

Em Paraisópolis, na zona sul da cidade de São Paulo, o dia começou com a Feira de Empregabilidade, realizada pelo Emprega Comunidades, negócio de impacto social que tem como objetivo ser a ponte entre o empregador e o empregado da comunidade. A iniciativa é conhecida como o LinkedIn da Favela.

O jovem André Arcelino, de 21 anos, está desempregado há um ano. Ele foi até a feira para se inscrever para uma vaga na área de alimentação. “Já fui gerente de rede de fast-food, já tenho experiência e espero encontrar novamente uma vaga na minha área”. O atendimento da feira segue até as 16h.

Para o presidente do G10 Favelas, Gilson Rodrigues, a data de hoje serve para celebrar a potência da favela. “É um dia de celebração para mostrar um novo olhar sobre a favela. Em vez da favela carente, marginal e violenta, uma favela potente, ativa economicamente, que precisa de investimentos para poder se desenvolver e que sabe o que quer”, destacou.

“A gente fala sempre que é você quem decide aonde quer chegar e temos mostrado, a partir das iniciativas do G10,  que isso é possível com inovação e iniciativas de impacto social que transformam a vida. É uma data que nós queremos que fique cada vez mais no calendário das favelas do Brasil como de celebração e de mostrar esse novo olhar, principalmente nesse momento em que as favelas foram tão marginalizadas no processo eleitoral, foram posicionados numa situação tão violenta. que possamos mostrar esse outro lado: organizado, pacífico e que precisa de investimento para se transformar”.

Empreendedorismo

Na programação, haverá também a roda de conversa “Potência das Favelas: Empreendedorismo nas favelas como motor de desenvolvimento”, às 16h, com a participação de líderes das favelas do Brasil e com o gerente de movimentação e instalação do Banco 24Horas para falar sobre o empreendedorismo nas comunidades, além de empresas e parceiros que contribuem com o crescimento econômico nesses territórios.

Educação financeira

Pela manhã, o jovem Murilo Duarte, 27 anos, um dos criadores do projeto Favelado Investidor, esteve no evento para discutir finanças e investimento de fácil acesso durante um workshop. 

“O principal ensinamento é mostrar que, dentro da favela, a pessoa tem a oportunidade de vários caminhos para que tenha o seu crescimento profissional e financeiro. A gente cresce, às vezes, ouvindo falar que ou você só vai pelo futebol e recentemente só pela música, mas dentro da favela existem diversos sonhos que a gente pode conseguir realizar”, disse. 

Criado na comunidade do Jardim João XXIII, na zona oeste da capital paulista, Murilo falou sobre oportunidades de investimentos acessíveis e formas de lidar com o dinheiro, desde um orçamento familiar até o uso de um cartão de crédito, e também maneiras de como diminuir as dívidas.

“Os investimentos na bolsa de valores ou renda fixa, hoje é um mercado acessível na questão financeira, mas foi muito negligenciado pelo público de favela. Mostrei alguns investimentos que podem começar com pouco dinheiro e que rendem muito mais do que a poupança. O favelado que tem algum dinheiro guardado, ele pode começar, por exemplo, no Tesouro Direto, com R$ 30, e é o investimento mais seguro do Brasil e que rende mais do que a poupança. E quando a gente fala de bolsa de valores, existem ações de grandes empresas que custam a partir de R$ 5, R$10. Então, não precisa de muito dinheiro para começar a investir”, avaliou. 

Murilo mantém um canal no YouTube sobre educação financeira e investimentos com linguagem simples, “sem siglas e economês”.

A dona de casa, Amanda Barros Vasconcelos, de 35 anos, disse que as orientações do workshop a ajudarão a lidar melhor com o dinheiro.

“As orientações me ajudaram bastante, e, como eu, tem muita gente que não entende sobre como lidar com o dinheiro, se atrapalha. Depois disso, sobre o que ele falou sobre educação financeira, investimentos, porque eu sou meio atrapalhada com cartão de crédito, acredito que terei mais controle. E sobre os investimentos, eu fiquei surpresa, achei importante também essa parte, porque ajuda a quem não tem entendimento em relação a isso”.

Bolsas de estudo

Em parceria com o Banco 24 horas, o G10 Favelas lança o projeto “Potência das Favelas Banco24Horas” que visa conceder 25 bolsas de estudo integrais (100%) para o curso de programação e tecnologias desenvolvido pela MasterTech para o grupo TecBan, gestora do Banco 24horas.

O projeto tem o objetivo de ensinar algumas das principais práticas e conhecimentos da programação e linguagem digital para os jovens periféricos no estado de São Paulo.

O encerramento do evento ficará por conta do Favela Music, produtora cultural de artistas das favelas do Brasil, com apresentações de artistas da comunidade e pocket show com o rapper Projota, às 19h.