G20: Ministros de finanças culpam Rússia por risco de recessão global

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen (Foto: Made Nagi/Pool via REUTERS)
Secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen (Foto: Made Nagi/Pool via REUTERS)

Os chefes de finanças das maiores economias do mundo se juntaram para culpar a Rússia pela onda de inflação global e pela forte deterioração das perspectivas de crescimento no mundo.

Embora muitos culpem os formuladores de políticas por não conseguirem prever o aumento da inflação, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, deu o tom no início da reunião do G20 em Bali, na Indonésia, dizendo que o regime de Putin usou alimentos “ como arma de guerra”.

Ela disse que suas ações provocaram “uma crise global de insegurança alimentar, com o aumento dos preços, fertilizantes e combustíveis”. Metade da alta na inflação nos EUA está atrelada aos custos de energia, que foram pressionados pela guerra da Rússia.

O mesmo tom foi seguido aliados mais próximos dos Estados Unidos. A ministra das Finanças do Canadá, Chrystia Freeland, atribuiu à Rússia a alta inflação, a maior em quatro décadas de seu próprio país. O tesoureiro australiano Jim Chalmers disse que as ações “ilegais e imorais” da Rússia representam um grande obstáculo ao progresso do G20 e ao governo do Japão. O ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, disse que toda a responsabilidade pela guerra é da Rússia.

Os ministros das finanças e os presidentes dos bancos centrais deixaram Bali sem nenhum comunicado sobre como resolver os muitos itens da agenda - inflação, cadeias de suprimentos, riscos de recessão, dívida, segurança alimentar e mudanças climáticas.

“Muitos membros concordaram que a recuperação da economia global desacelerou e está enfrentando um grande revés como resultado da guerra da Rússia contra a Ucrânia”, observou o comunicado final. “Um membro expressou a opinião de que as sanções estão aumentando os desafios existentes”.

O foco na Rússia como fonte de problemas inflacionários globais não se traduziu em nenhum acordo sobre o que fazer a respeito. A proposta de Yellen para um teto do preço do petróleo ganhou pouca força e os aliados europeus talvez estejam prontos para lançar o experimento sozinhos com os EU

A diretora de Estratégia, Política e Revisão do Fundo Monetário Internacional (FMI), Ceyla Pazarbasioglu, sinalizou que as perspectivas de crescimento global serão cortadas “substancialmente” na próxima atualização do fundo

O aumento dos preços de alimentos e energia, a desaceleração dos fluxos de capital para os mercados emergentes, a pandemia em andamento e uma desaceleração na China tornam o cenário “muito mais desafiador” para os formuladores de políticas, disse Ceyla em um painel de domingo em Bali. “É choque após choque após choque que estão realmente atingindo a economia global.”

Em entrevista à Bloomberg News um dia antes, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, alertou que os governos devem ter cuidado para não trabalhar contra suas autoridades monetárias.

“A política monetária precisa ser mais rígida, mas a política fiscal precisa estar atenta ao impacto da inflação nas populações vulneráveis ​​e nas empresas, garantindo que essas duas alavancas não entrem em conflito” com gastos fiscais generalizados que elevam ainda mais os preços.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos