G7 cogita alocar US$100 bilhões do FMI para nações atingidas pela Covid

·1 minuto de leitura
Logo do G7 perto de hotel onde acontece a cúpula dos líderes do grupo na Inglaterra

CARBIS BAY, Inglaterra (Reuters) - Os Estados Unidos e outras nações do G7 estão cogitando realocar 100 bilhões de dólares das reservas do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar os países que enfrentam mais dificuldades com a crise da Covid-19, disse a Casa Branca.

A questão estará em pauta quando os líderes do G7 debaterem como ajudar a direcionar a recuperação mundial para longe da pandemia de coronavírus durante uma cúpula de três dias na Cornualha, no sudoeste da Inglaterra, que começa nesta sexta-feira.

"Os Estados Unidos e nossos parceiros do G7 estão cogitando um esforço global para multiplicar o impacto da alocação proposta dos Direitos Especiais de Retirada (SDR) para os países mais necessitados", disse o gabinete do presidente norte-americano, Joe Biden.

"Com um tamanho potencial de até 100 bilhões de dólares, o esforço proposto apoiaria mais as necessidades de saúde – incluindo vacinações – e ajudaria a permitir recuperações econômicas mais verdes e robustas em países vulneráveis, além de promover uma recuperação global equilibrada, contínua e inclusiva."

Na quinta-feira, o presidente da França, Emmanuel Macron, pediu que as nações do G7 entrem em acordo para realocar 100 bilhões de dólares em SDRs para Estados africanos.

Em abril, chefes de finanças de todo o mundo concordaram em reforçar os SDRs em 650 bilhões de dólares e prorrogar um congelamento nos serviços de dívida para ajudar países em desenvolvimento a lidarem com a pandemia, mas somente 34 bilhões seriam destinados à África.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos