G7 inicia pressão sobre Rússia com valor do preço do petróleo

Terminal de petróleo Kozmino perto de Nakhodka, na Rússia

Por Nick Starkov e Pavel Polityuk

KIEV (Reuters) - Um teto nos preços do petróleo transoceânico russo estabelecido pelo G7 entrou em vigor nesta segunda-feira, enquanto o Ocidente tenta limitar a capacidade de Moscou de financiar sua guerra na Ucrânia, embora a Rússia tenha dito que não cumprirá a medida, mesmo que precise cortar a produção.

Os países do G7 e a Austrália concordaram na sexta-feira com um teto de preço de 60 dólares por barril no petróleo transoceânico russo depois que os membros da União Europeia superaram a resistência da Polônia, que queria um preço menor. A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo.

O vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak chamou de interferência grosseira que contradiz as regras do livre comércio e desestabilizará ainda mais o mercado.

"Vamos vender produtos petrolíferos apenas para os países que trabalharão conosco em condições de mercado, mesmo que tenhamos que reduzir um pouco a produção", disse Novak, a autoridade do governo russo encarregada do petróleo, gás, energia atômica e carvão, no domingo.

O acordo do G7 permite que o petróleo russo seja enviado para países terceiros usando petroleiros, companhias de seguros e instituições de crédito do G7 e da UE, somente se a carga for comprada abaixo do limite de 60 dólares por barril.

Participantes do setor e uma autoridade dos EUA disseram em outubro que a Rússia pode ter acesso a navios-tanque suficientes para enviar a maior parte de seu petróleo além do alcance do limite, ressaltando os limites do plano mais ambicioso até agora para reduzir a receita da Rússia durante a guerra.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que 60 dólares é muito alto para impedir que a Rússia trave a guerra na Ucrânia. "Você não chama de decisão séria definir esse limite para os preços russos, o que é bastante confortável para o orçamento de um estado terrorista".

Os Estados Unidos e seus aliados impuseram sanções amplas à Rússia e enviaram bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia desde que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro.

O presidente francês Emmanuel Macron, no entanto, atraiu críticas da Ucrânia e seus aliados do Báltico no fim de semana por sugerir que o Ocidente deveria considerar a necessidade de garantias de segurança à Rússia se concordar em negociar para terminar a guerra.

O assessor de Zelenskiy Mykhailo Podolyak disse que o mundo precisava de garantias de segurança da Rússia, não o contrário.

Em um sinal adicional de desconforto ocidental em um impasse que criou crises de energia e refugiados na Europa, o chanceler alemão Olaf Scholz alertou nesta segunda-feira contra a criação de uma nova Guerra Fria, dividindo o mundo em blocos.