Gabigol x Gabriel Jesus: Concorrentes na seleção têm números distintos na temporada; rubro-negro é mais decisivo

·2 minuto de leitura

As últimas convocações de Tite e as escalações montadas por ele evidenciaram a principal disputa em curso na seleção brasileira: por uma das vagas do ataque. O treinador tem dado oportunidades para Gabigol e Gabriel Jesus mostrarem seu valor. Depois do atacante do Flamengo ser titular na vitória sobre o Equador, na última sexta, o jogador do Manchester City deve iniciar contra o Paraguai, nesta terça (ambos os jogos são pelas Eliminatórias da Copa de 2022).

A dupla pode estar no Mundial do Qatar, daqui a um ano e meio. Contudo, Tite vem demonstrando que só vê espaço para um deles na equipe titular. Até agora, a corrida está equilibrada.

Como a pandemia tornou escassos os jogos da seleção, é nos clubes que eles têm mostrado suas qualidades. Coletivamente, os dois estão bem colocados. No City, Jesus foi campão inglês. No Flamengo, Gabigol conquistou o Brasileiro. Individualmente, contudo, suas trajetórias são distintas.

O GLOBO levantou as estatpisticas dos dois a partir de 21 de setembro, quando a última temporada europeia teve início para Jesus. Como não teve férias no Brasil, Gabigol também tem jogado ininterruptamente desde então. Com menos lesões e suspensões, o atacante do City jogou mais.

Somados os jogos pelo clube inglês e pela seleção, Jesus foi a campo 45 vezes. No esquema de Guardiola, que faz uma rodagem dos jogadores, nem sempre ele foi titular. Iniciou os jogos em 32 ocasiões. Ao todo, soma 3.030 minutos jogados, o que dá uma média de 67,3 por partida.

Mais afetado pelas lesões, principalmente no segundo semestre do ano passado, Gabigol atuou menos do que seu concorrente na seleção. Foram 35 jogos e 2.541 minutos em campo. Só que, ao contrário de Jesus no City, o camisa 9 é mais protagonista no Flamengo. Com isso, acaba sendo menos substituído. Ele só não foi titular em duas ocasiões e tem uma média de 72,6 minutos por compromisso.

Consequentemente, o rubro-negro tem uma participação muito maior nos gols de seu time. Neste período, balançou as redes 26 vezes e ainda colaborou com cinco assistências. Jesus, por sua vez, foi preponderante em 18 gols, tendo marcado 14 e dado o passe para outros quatro.

Sob os olhares de Tite, Gabigol não fez grande partida contra o Equador. Ao invés de dar mais tempo para ele, Tite prefere observar Jesus, que jogará em função diferente. O rubro-negro atuou mais centralizado. O atacante do City jogará pela ponta direita contra o Paraguai.

- O Gabriel Barbosa te dá uma flutuação e infiltração de espaço para finalização. O Jesus produziu muito pelo lado, foi um dos destaques nossos na Copa América (de 2019). Também ataca o espaço, muita força - explicou Tite.