Gal Costa: mídia internacional repercute morte da cantora

A morte de Gal Costa, nesta quarta-feira, 8, repercutiu na mídia internacional. Um dos principais jornais da Inglarerra, o The Guardian lembrou o legado da cantora na história da música popular brasileira:

"Costa foi uma musa da crescente cena da música popular brasileira no final dos anos 1960, e cantou com alguns dos maiores nomes da música brasileira, incluindo Tom Jobim, Chico Buarque, Milton Nascimento e seu amigo Caetano Veloso", publicou a versão eletrônica do jornal.

O argentino "Clarín" destacou a "afinação perfeita e voz suave e aguda".

Para o espanhol El Pais, Gal Costa tinha um "espírito irreverente" que ajudou sempre a se renovar:

"Gal Costa era, como se diz no Brasil, uma artista muito alerta, atenta ao que acontecia ao seu redor", disse o jornal em seu obituário. "Longe de ficar estagnada em seus anos gloriosos, sempre esteve muito próxima do que as novas gerações estavam fazendo. Ela tocou tanto em teatros para senhoras nostálgicas quanto em festivais hipsters onde os trinta e poucos anos a reverenciavam".

A rádio francesa France Info definiu a carreira de Gal como "rica e densa":

"Sua presença no palco, suas roupas coloridas e às vezes provocantes, seu corte afro nos anos 70, fizeram dela um símbolo sexual, longe da imagem da adolescente tímida de sua estreia".