Galvão critica frase de Edu Gaspar e questiona Neymar: “Não é mais menino, já tem 26 anos”

Galvão não poupou críticas a Neymar

O programa “Bem, Amigos” desta segunda-feira, 18, marcou a volta de Galvão Bueno das férias com um convidado especial, o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar. Aproveitando a presença do dirigente, o narrador fez uma espécie de desabafo cobrando mais maturidade do principal jogador brasileiro, Neymar.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

“O Neymar não é mais menino, ele tá com 26 anos. Com 26, eu já trabalhava desde os 16 e tinha dois filhos”, lembrou. Para Galvão, o fato do craque ser o camisa 10 da Seleção Brasileira obriga-o a ter uma postura diferente dentro e fora de campo.

“No momento em que ele pede para jogar com a camisa 10 da Seleção Brasileira, essa camisa 10 tem uma mística diferente de qualquer outra, foi a camisa que Pelé transformou na mais importante do futebol mundial. Ao pedir a camisa 10, vem junto uma liturgia gigantesca, vem junto a liturgia de ser o líder tático, de ser a estrela do campo, de ser o cara que vai à frente de todo mundo, de dar entrevista, dar explicação. A camisa 10 tem uma mística diferente, ela obriga a quem a usa a ter uma postura muito séria”, cobrou.

O narrador também criticou o próprio Edu pela frase dita durante a Copa do Mundo de que “era duro ser Neymar”. “Sou fã do futebol do Neymar, tem potencial excepcional, mas não é duro ser Neymar. Duro é acordar 4 horas da manhã e pegar três ônibus para trabalhar, não ter dinheiro para botar em casa, não poder dar ensino direito para o seu filho, isso que é duro”, afirmou.

Leia mais:
Paquetá está na mira do Manchester United
Richarlison confirma que brigará por vaga na seleção
Son pode ir para o Bayern na próxima temporada

O coordenador de seleções reconheceu o erro e explicou o que realmente queria dizer com a frase. “Eu usei uma palavra equivocada, errei da forma que eu me dirigi a ele como menino. Assumo também que falei também da dificuldade de ser Neymar no contexto de seleções, não no contexto econômico, social etc. Convivo com ele há dois anos e meio e o atleta não deu um trabalho a nós. Quando eu falo que é difícil ser Neymar em alguns momentos, é que tem muitas coisas que acontecem com ele no contexto de seleções que não é fácil, assim como não é fácil ser Tite”, disse.

Com o fim do rodízio de capitães, a braçadeira passou a ser de Neymar definitivamente. Edu defendeu a comissão técnica das críticas e revelou como foi a escolha. “O Tite teve uma conversa prévia com ele que demorou mais de uma hora e o Neymar se colocou à disposição para assumir essa responsabilidade”, disse e ainda justificou o motivo.

“Hoje, nós temos um ciclo de quatro anos e meio. Pensando a curto, médio e longo prazo, qual o atleta que poderá estar conosco a maior parte do tempo? Para nós, o atleta que atinge o curto, médio e longo prazo é o Neymar. Esse é o atleta que pode estar ou vai estar conosco até o final desse ciclo. Então a gente acredita dar a ele a importância desde já para assumir uma responsabilidade. Achamos importante e foi tomada essa decisão”, explicou.