Gangue suspeita de roubar famosos vai a julgamento em Paris

·3 minuto de leitura
O ex-jogador do Paris Saint-Germain Thiago Silva, que agora atua pelo Chelsea

Uma gangue de ladrões acusada de escalar edifícios para roubar milhões em joias, itens de moda e outros objetos de valor de ricos e famosos, incluindo o jogador de futebol Thiago Silva, será julgada na capital francesa nesta quarta-feira (23).

Acredita-se que o grupo, formado por sete homens e uma mulher, tenha roubado não apenas jogadores do PSG, mas também personalidades da música e da televisão.

Thiago Silva - capitão do PSG na época do roubo e que agora joga pelo Chelsea - voltou para casa após uma partida em 23 de dezembro de 2018 e encontrou seu cofre vazio. Foram roubados joias e relógios por um valor total de 1,2 milhão de euros (US$ 1,4 milhão).

As imagens das câmeras de segurança mostraram dois homens descendo pelos canos de esgoto e entrando na mansão do jogador brasileiro por uma janela. Minutos depois, saíram com os objetos roubados em uma mochila.

Menos de um mês antes, outro jogador do PSG, Eric Maxim Choupo-Moting, foi roubado em 600 mil euros (US$ 716 mil) em artigos de couro e joias enquanto estava em campo jogando uma partida da Liga dos Campeões.

A investigação levou a polícia primeiro a três possíveis suspeitos. Graças aos grampos e vigilância dos três, a polícia identificou um grupo de sete homens estabelecidos em um bairro de Paris conhecido como Goutte d'Or e os dois veículos que eles usavam.

Depois de prendê-los em agosto de 2019, a polícia chegou a pensar que a gangue também havia cometido um assalto um ano antes na casa do rapper francês Elie Yaffa, mais conhecido como Booba.

Eles também são suspeitos de roubar as casas do apresentador de televisão Patrick Sébastien, do chef Jean-Pierre Vigato e de um cidadão saudita rico não identificado, levando um total de 4,2 milhões de euros (US$ 5 milhões).

- Listas de famosos -

A polícia apreendeu pulseiras, anéis, relógios e bolsas no apartamento de uma jovem em Aubervilliers, subúrbio da capital. Alguns itens foram identificados por seus legítimos proprietários.

Os detetives também encontraram armas e coletes à prova de balas no apartamento.

No início, os suspeitos negaram tudo. Mas ao longo do ano passado, os membros da gangue admitiram algumas das acusações. Outros alegaram que apenas vigiavam enquanto os demais realizavam os roubos.

Alguns também alegaram que as estimativas dos roubos eram exageradas, pois algumas peças roubadas eram falsas.

Para a acusação, dois homens estão no centro destes roubos. Um deles é Mohamed S., que graças à sua destreza na escalada é conhecido como "Jet Li" ou como "El Gato". O outro é Abdelazim G., apelidado de "Bidou" ou "Kid".

Os sete, com idades entre 27 e 31 anos e longa ficha criminal, são acusados de furto e de pertencer a uma organização criminosa.

A inquilina do apartamento em Aubervilliers é acusada de receber bens roubados e porte ilegal de armas, além de pertencer a uma organização criminosa. A mulher nega todas as acusações.

A polícia encontrou listas de nomes e endereços de celebridades em sua casa, mas não conseguiu identificar nenhum cúmplice interno ou saber como os itens roubados foram vendidos.

Enquanto isso, as estrelas do Paris Saint-Germain continuam a ser alvo de roubos. Este ano, o jogador espanhol Sergio Rico e os argentinos Mauro Icardi e Ángel Di María foram vítimas de furtos, assim como a família do Marquinhos.

alv/meb/es/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos