Gari baleado na Vila Cruzeiro será enterrado na tarde desta terça-feira

Marcos Nunes
·1 minuto de leitura
Foto: Arquivo pessoal / Reprodução

O gari da Comlurb Marcelo de Almeida da Silva, de 38 anos, morto com um tiro nas costas quando havia acabado de sair de casa para ir trabalhar, será sepultado às 16h desta terça-feira no Cemitério de Inhaúma, na Zona Norte do Rio.

O crime aconteceu no último domingo, na Vila Cruzeiro, na Penha. A família da vítima informou que Marcelo ainda esperou o fim de um tiroteio para sair de sua residência, usando um boné e uma mochila. Três minutos depois, foi atingido por um disparo. Ele foi levado para o Hospital Getúlio Vargas, onde os PMs informaram que o encontram caído em uma rua da comunidade, após ter sofrido uma convulsão. A família desmentiu a versão e disse que o gari foi ferido por um tiro.

Os parentes também denunciaram o sumiço de uma mochila, com dinheiro e um cartão de crédito, que o funcionário da Comlurb levava quando foi baleado. O caso está investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital.

Na segunda-feira, a Polícia Militar divulgou nota dando sua versão sobre o caso. Confira a íntegra do comunicado:

"Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na manhã deste domingo (31/01), equipe da 7ª UPP/16º BPM (Vila Cruzeiro) em deslocamento para a base Merendiba, foi atacada por disparos de arma de fogo, gerando confronto. Posteriormente, a guarnição avistou um homem caído no chão ferido e em convulsão. Os policiais o socorreram ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, onde veio a óbito. No local, os policiais apreenderam 15 munições calibre 12 e uma granada de fabricação caseira.
A ocorrência está a cargo da Delegacia de Homicídios da Polícia Civil. Reiteramos que denúncias sobre supostas irregularidades cometidas pelos policiais devem ser encaminhadas à Corregedoria da Polícia Militar."