Garimpeiros do Rio Madeira criam grupo em rede social para divulgar extração ilegal; veja vídeos

·1 min de leitura

RIO - Os garimpeiros que invadiram o Rio Madeira nesta quarta-feira com balsas para extrair ilegalmente ouro criaram um grupo público em uma rede social onde divulgam gravações da extração do minério e ironizam as críticas à atividade.

No grupo é também possível ver os garimpeiros negociando mércurio, substância usada na prática ilegal e que envenena as águas dos rios. Uma das balsas usadas na mineração também é negociada pelo valor de R$ 350 mil.

Moradores da região relatam que os garimpeiros começaram a divulgar a informação de que haveria ouro no trecho do rio próximo a comunidade de Rosário, no município de Autazes.

Em nota, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou que teve ciência do caso na quarta-feira e que houve uma reunião com Ipaam para alinhar as informações, a fim de tomar as devidas providências e coordenar uma fiscalização de garimpo na região.

A Polícia Federal informou, também por meio de nota, que "se encontram em andamento, tratativas interinstitucionais sobre a notícia dos garimpeiros na calha do rio Madeira. Assim que reunidas informações e dados acerca de ações desta Superintendência Regional da Polícia Federal sobre o assunto em questão, encaminharemos para o conhecimento de todos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos