Garis de São Paulo fazem greve de 24 horas por vacina contra a Covid-19

·2 minuto de leitura
(Foto: Siemarco)
(Foto: Siemarco)
  • Segundo o sindicato, cerca de 2 mil garis foram infectados pela Covid-19 desde o início da pandemia e pelo menos 50 morreram em decorrência da doença

  • Prefeitura de São Paulo foi questionada sobre as negociações com os trabalhadores para a imunização, mas não respondeu

Texto: Juca Guimarães Edição: Nataly Simões

Os cerca de 17.500 trabalhadores da limpeza urbana da cidade de São Paulo cobram da Prefeitura desde dezembro do ano passado a vacinação da categoria contra a Covid-19. Como não tiveram resposta até agora, nesta terça-feira (8), o Siemarco, sindicato da categoria, decidiu fazer uma protesto de 24 horas com a suspensão do trabalho.

Segundo o sindicato, a maioria dos garis, cerca de 60%, é negra. Cada trabalhador cumpre uma jornada de seis dias por semana, com 44 horas por trabalho. O Siemarco estima que cerca de 2 mil funcionários foram infectados pela Covid-19 e pelo menos 50 morreram em decorrência da doença.

Em média, os garis responsáveis pela varrição e coleta de lixo caminham entre 7 km e 8 km. Nas rotas de coleta feita por caminhões, os trabalhadores chegam a percorrer cerca de 30 km na cidade.

Leia também:

Quando era prefeito da cidade de São Paulo, em 2017, o atual governador do estado, João Doria (PSDB), vestiu um uniforme de gari e participou de um ato para promover uma campanha de limpeza urbana da cidade. Na época, o então vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) e a atriz Regina Duarte também participaram da agenda promocional do prefeito.

"Esses trabalhadores e trabalhadoras atuam incessantemente, inclusive nos momentos mais críticos desta grave crise de saúde pública, colocando suas vidas e de seus familiares em risco, oferecendo um serviço essencial para o controle da pandemia em toda a sociedade e contribuindo diretamente para a redução dos índices de contágio desta doença", afirma André Santos Filho, presidente do Siemaco.

Na segunda-feira (7) os representantes do sindicato se reuniram com a secretária estadual de Desenvolvimento Econômico do Estado, Patrícia Ellen da Silva, para mais uma vez tentar um acordo e evitar a paralisação.

A Alma Preta Jornalismo entrou em contato com a Prefeitura de São Paulo e o Selur, sindicato dos donos de empresas de limpeza urbana, responsáveis pelos contratos de limpeza com as prefeituras do Estado que têm a coleta e varrição terceirizada. A reportagem questionou sobre as ações da entidade para que os trabalhadores fossem vacinados. Até a publicação deste texto, o Selur e a Prefeitura não se posicionaram. Caso respondam, o texto será atualizado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos