Garotos do Palmeiras encaram rival de frequentes jogos decisivos na base

William Correia
Neste domingo, garotos terão pela frente o primeiro clássico pela equipe principal (Cesar Greco/Agência Palmeiras)


Neste domingo, às 16h, em Araraquara, o Palmeiras terá seu primeiro clássico na temporada, e diante de um rival que os recém-promovidos travaram partidas marcantes nas categorias de base. Nos últimos dois anos, o lateral-esquerdo Lucas Esteves, os volantes Gabriel Menino e Patrick de Paula, o meia Alan e os atacantes Gabriel Veron e Wesley, todos à disposição do técnico Vanderlei Luxemburgo, tiveram frequentes decisões diante do São Paulo.

Os dois clubes são costumeiros adversários em duelos de mata-mata da base. Em 2018, enfrentaram-se na Supercopa do Brasil sub-20, com título tricolor nos pênaltis, e na final da Copa RS, com festa alviverde, também nas penalidades. Em 2019, Choque-Rei marcante nas semifinais do Paulista sub-20, com Gabriel Menino, único dos garotos que deve ser titular neste domingo, fazendo gols na ida e na volta para classificar o Verdão. Ainda pela equipe sub-17, Gabriel Veron perdeu nos pênaltis, diante do rival, o Estadual da categoria.

- Ganhei muito e perdi muito do São Paulo. Acontece. É clássico, faz parte, não tem favorito. Mas, agora, a preparação é com muito mais motivação porque a cobrança é muito maior do que na base. Com certeza, sei o que significa esse clássico. É um clássico grande, ninguém quer perder, e é sempre bom ganhar - disse Wesley, ao LANCE!

Se Gabriel Menino, titular no mais recente Choque-Rei do sub-20, tem vaga quase garantida para iniciar o clássico deste fim de semana, a maioria dos outros garotos vivem a expectativa da primeira partida oficial na temporada. Na vitória por 4 a 0 sobre o Ituano, Menino atuou o tempo todo e Veron entrou no intervalo. Já Esteves atuou no time principal por poucos minutos no ano passado e Alan e Patrick de Paula participaram só da Florida Cup.

Wesley, por sua vez, depois do título brasileiro sub-20 em 2018, passou a temporada passada emprestado ao Vitória, sendo um dos maiores dribladores da Série B. Retornou mostrando serviço, sendo um dos destaques no torneio amistoso nos Estados Unidos.

- Voltei melhor preparado. Continuo com a mesma ousadia de ir para cima, só que com mais bagagem e experiência. Sempre busco fazer o diferente na frente, sai naturalmente. Meu estilo de jogo é ir para cima e resolver o jogo no detalhe. Estou trabalhando firme para, se surgir a oportunidade, abraçar da melhor forma possível - disse o atacante, alvo de frequentes conversas com Luxa, que sempre pede "irresponsabilidade com responsabilidade".

- Ele me dá bastante atenção, principalmente pelo estilo de jogo. É gratificante trabalhar com um treinador do perfil dele. Quando ele falou sobre irresponsabilidade com responsabilidade, entendi como recado para mim e abracei. É saber o lugar de driblar. Atrás, não tem necessidade de fazer o que faço na frente, porque não resulta em nada. É com responsabilidade.