Gasoduto do Báltico estará a 100% um mês antes do previsto

A Guerra na Ucrânia levou a Europa a virar as costas à energia russa e a procurar desesperadamente alternativas energéticas. O gasoduto do Báltico, que liga Noruega e Polónia e só deveria estar totalmente operacional em janeiro, foi inaugurado esta terça-feira e estará 100% funcional já em novembro, mais de um mês antes do previsto.

"O fim desta construção chega numa altura marcada pela guerra brutal da Rússia contra a Ucrânia e pela manipulação, por parte da Rússia, do fornecimento de gás, para desestabilizar o nosso mercado energético e as nossas economias. Hoje, a Europa unida manda uma mensagem à Rússia: Não terá sucesso."

O gasoduto do Báltico trata-se de uma extensão da conduta que já fornecia gás do mar do Norte à Dinamarca e irá beneficiar sobretudo a Polónia. Apesar de só estar operacional a 100% no fim de novembro, quando poderá distribuir 10 mil milhões de metros cúbicos de gás por ano, a distribuição começa, de forma limitada, já a 1 de outubro.

Estima-se que Varsóvia receba através da nova infaestrutura cerca de 15% do consumo anual de gás, compensando a perda do gás russo. Cerca de dois terços do gás natural utilizado no país tinha origem na Rússia.