Gastos com armas nucleares aumentaram 1,4 bilhão de dólares

·2 minuto de leitura
Foto de arquivo de teste nuclear francês no Atol Moruroa, localizado no Arquipélago de Tuamotu, na Polinésia Francesa

Os países com armas nucleares aumentaram, no ano passado, os gastos com seus arsenais em 1,4 bilhão de dólares, enquanto a pandemia causou estragos humanos e econômicos em todo o mundo, informa um relatório de ativistas publicado nesta segunda-feira (6).

Em um relatório recente, a Campanha Internacional pela Abolição das Armas Nucleares (ICAN) detalhou como os nove países com essas armas continuaram a aumentar seus gastos.

"À medida que leitos hospitalares se enchiam de pacientes (...) nove países descobriram que tinham mais de US $ 72 bilhões disponíveis para armas de destruição em massa", critica o relatório.

Isso representa um aumento de US $ 1,4 bilhão (€ 1,2 bilhão) em relação aos gastos de 2019, disse a ICAN, uma organização que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2017.

De acordo com o relatório, os Estados Unidos gastaram mais da metade do valor total, cerca de US $ 37,4 bilhões, o que é cerca de 5% de seus gastos militares em 2020, observa o documento.

De acordo com estimativas da ICAN, acredita-se que a China tenha gasto cerca de US $ 10 bilhões e a Rússia US $ 8 bilhões.

Se considerados os nove países juntos, que também incluem Reino Unido, França, Índia, Israel, Paquistão e Coreia do Norte, mais de US $ 137 mil foram gastos a cada minuto em 2020, acrescenta.

O aumento também ocorreu quando um tratado defendido por esta ONG para abolir as armas nucleares recebeu sua 50ª ratificação, o que levou à sua entrada em vigor em janeiro.

O relatório também destaca como os governos deram cada vez mais dinheiro às empresas do setor de defesa, que por sua vez colocaram mais dinheiro em grupos de lobby para aumentar os gastos.

De acordo com a ICAN, para cada dólar investido no ano passado para pressionar os governos a gastar mais em defesa, US $ 236 voltaram para as empresas na forma de contratos de armas nucleares.

Mais de 20 empresas que fabricam armas nucleares se beneficiaram do negócio no ano passado por meio de contratos existentes ou novos.

Onze empresas ocidentais faturaram US $ 27,7 bilhões, de acordo com o relatório.

As principais empresas beneficiadas foram Northrop Grumman, General Dynamics, Lockheed Martin, Raytheon Technologies e Draper.

nl/rjm/yad/tjc/mb/mr