Gavião Arqueiro é Marvel sem megalomania e na forma mais simples e divertida

·2 min de leitura
Série Hawkeye. Foto: Divulgação
Série Hawkeye. Foto: Divulgação

Quem em plena consciência espera uma aventura megalomaníaca de um herói como Gavião Arqueiro? Ao esquecer a grandiosidade das missões que Clint Barton participa com Vingadores e Cia, os quadrinistas David Aja e Matt Fraction produziram uma das melhores histórias da Marvel nos últimos anos - e é com base nela que o Disney Plus entrega a primeira série solo do arqueiro, aqui acompanhado pela jovem e encantadora Kate Bishop. A série é tão boa quanto a HQ, dificilmente será, mas o começo é promissor.

O início do seriado mostra Clint com a família em Nova York e sendo puxado para mais uma missão para entender quem está vestido como Ronin, seu disfarce durante os anos que metade da população foi dizimada por Thanos. A partir daí, vemos como ele lida com a vida de herói pós-Thanos e no meio disso ainda precisa aguentar uma jovem que o idolatra como símbolo da Batalha de Nova York. No meio disso tudo, conhecemos o passado de Bishop, interpretada por uma excelente Hailee Steinfeld, que parece nascida para o papel.

Leia também:

A interação entre ambos poderia resumir a clássica formação veterano e aprendiz, mas vai além - assim como na HQ, o foco na personalidade desafiadora dela e no ar desinteressado de Clint formam uma dupla bem especial. Nas primeiras duas horas da série, fica claro que o cidadão comum que é Barton é tudo que ele deseja ser, assim como é o oposto do que Bishop imagina. Sentado nessa posição de cansaço, Barton se torna um homem comum, irônico e quase sem esforço para entrar na ação - e é curiosamente isso que o torna um personagem tão legal dentro de um mundo cheio de magias, aliens e monstros gigantes.

É cedo ainda para dizer, mas Gavião Arqueiro tem tudo para ser a série mais simples e pé no chão da Marvel. Ela é, sem dúvida, a que mais se inspira em uma HQ única e, por isso, será comparada pelos fãs até o final da jornada. De primeira, dá pra dizer que a simplicidade exercida aqui é louvável, pois não deixa os personagens simplórios, e sim os diferencia de uma forma cativante do exagero de raios azuis e maluquices dentro desta fantasia cada vez mais megalomaníaca da Marvel nos cinemas.

*Thiago Romariz é jornalista, professor, criador de conteúdo e atualmente head de conteúdo e PR do EBANX. Omelete, The Enemy, CCXP, RP1 Comunicação, Capitare, RedeTV, ESPN Brasil e Correio Braziliense são algumas das empresas no currículo. Em 2019, foi eleito pelo LinkedIn como um dos profissionais de destaque no Brasil no prêmio Top Voice

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos