Gays promovem 'beijaço' em protesto contra rede de fast-food americana reacionária

Gays e lésbicas promoveram um "beijaço" diante das lanchonetes Chick-fil-A em todo os Estados Unidos em protesto contra a oposição da rede de fast-food ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Mais de 14.000 pessoas participaram através do Facebook do "Dia Nacional do Beijo entre Pessoas do Mesmo Sexo" no Chick-fil-A na sexta-feira, um evento marcado em grande parte pela internet.

"Não tem nada a ver conosco ser contra a liberdade de religião ou de discurso", afirmou Bryan McIlroy, um designer de interiores de 35 anos, falando à AFP, em frente ao restaurante de Hollywood, em Los Angeles.

"Estou aqui porque sou gay e não acho certo apoiar qualquer forma de ódio. Para quem acha que tudo é uma questão de amor, eles com certeza não estão demonstrando isso", acrescentou McIlroy, segurando uma placa que dizia "Apoie o amor e não o ódio".

No cartaz de outro manifestante em Hollywood lia-se "Jesus comia peixe".

Com mais de 1.600 lojas, principalmente no sul dos Estados Unidos, a empresa familiar Chick-fil-A é famosa por seus valores bíblicos - nunca abre aos domingos - e vende sanduíches de frango e nuggets.

Mas está sendo criticada pelos ativistas dos direitos dos gays e seus simpatizantes que, citando registros de impostos, dizem que a rede deu milhões de dólares a grupos conservadores cristãos que fizeram vigorosas campanhas contra o casamento gay.

O presidente da Chick-fil-A, Dan Cathy, declarou a uma publicação batista no mês passado que os Estados Unidos estão se arriscando "ao julgamento de Deus" ao reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo, legal em seis estados americanos, é um tema importante e polêmico no país, principalmente em um ano eleitoral. O presidente Barack Obama já se declarou a favor, enquanto seu rival republicano, Mitt Romney, se opõe ferrenhamente.

Os ativistas também instalaram uma barraca do beijo entre pessoas do mesmo sexo em frente ao restaurante Chick-fil-A, em Dallas.

"Queremos mostrar ao país e à empresa Chick-fil-A que nosso amor é tão válido, tão real e tão bom como o amor heterossexual", disse a organizadora Carly McGehee por telefone da cidade do Texas.

"E merecemos o direito de ser protegidos pela lei, de construir nossas famílias e amar quem quisermos, sem importar o gênero".

Em uma declaração emitida na sexta-feira, a Chik-fil-A pareceu não ter se abalado com o "Dia Nacional do Beijo entre Pessoas do Mesmo Sexo", dizendo que apreciam "todos os nossos clientes" e que estavam felizes em servi-los a qualquer momento.

"Nosso objetivo é simples: oferecer boa comida, hospitalidade genuína e ter uma influência positiva sobre todos que entrarem em contato com a Chick-fil-A", declarou Steve Robinson, vice-presidente executivo para o marketing.

Dois dias atrás, a Chick-fil-A teve vendas recordes quando os clientes fiéis compareceram em massa ao "Dia da Apreciação ao Chick-fil-A", promovido pelo político republicano e apresentador de talk-show, Mike Huckabee.

Em Atlanta, Geórgia, onde fica a matriz da Chick-fil-A, a dona de um pequeno negócio, Marci Alt, convidou o chefe da companhia para jantar com sua esposa Marlysa e seus dois filhos, para experimentar a "vida normal" que eles vivem.

"Nós nos importamos com a fé, com nossa família, nossos amigos e nossa comunidade e acreditamos que há espaço para transformar esse debate em diálogo", afirmou ela, se dirigindo ao presidente da Chick-fil-A Cathy no Change.org.

Carregando...

Siga o Yahoo Notícias