General da Bolívia acusado de violência política em 2019

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O presidente da Bolívia, Luis Arce

O Ministério Público boliviano indiciou na terça-feira (9) um general do Exército por homicídio e outros crimes de violência política ocorridos no final de 2019, no segundo caso envolvendo um oficial militar de alta patente.

“O Ministério Público fez a denúncia contra o General do Exército e ex-Diretor Executivo Nacional da Agência Nacional de Hidrocarbonetos (ANH), Luis F.V.F., de 56 anos”, disse o promotor de La Paz Marco Antonio Cossio.

Em 19 de novembro de 2019, graves confrontos entre as forças combinadas das Forças Armadas e da Polícia com manifestantes leais ao ex-presidente de esquerda Evo Morales foram registrados na usina de gás Senkata, na cidade de El Alto, vizinha de La Paz.

“Durante a investigação preliminar, foram encontrados elementos de condenação suficientes para fazer presumir que o General Luis F.V.F. é provavelmente o autor dos crimes sob investigação”, acrescentou o promotor.

Morales renunciou após 14 anos no poder após violentos protestos sociais para denunciar fraudes eleitorais nas eleições de outubro (eventualmente canceladas), e partiu para o México como asilado.

A senadora de direita Jeanine Áñez o sucedeu constitucionalmente no cargo, que foi resistida por sindicatos de camponeses e cocaleiros e vários grupos civis.

Os incidentes em Senkata culminaram em 10 mortes e 31 feridos. Dias depois, ocorreram outros acontecimentos violentos na cidade de Sacaba, região de Cochabamba (centro), que deixaram nove civis mortos.

Por esses fatos, outro general das Forças Armadas, Alfredo Cuéllar, que chefiava a guarnição militar local, foi preso em novembro passado.

Cuéllar está sendo julgado, mas no final de janeiro um juiz retirou sua prisão e permitiu que ele fosse para sua unidade militar.

Após a prisão do General Cuellar, o Alto Comando Militar disse estar "intrigado" e assegurou que os militares cumpriram as ordens emanadas do poder civil.

Para o segundo caso, o alto comando não emitiu nenhum comentário imediatamente.

Os conflitos de outubro e novembro de 2019 na Bolívia deixaram cerca de 35 mortos, enquanto um grupo de especialistas da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) iniciou uma investigação sobre esses incidentes em novembro do ano passado.

jac/fj/yow/ap