General envolvido em desaparecimento de estudantes é preso no México

Um general do Exército mexicano foi preso por suspeita de responsabilidade no desaparecimento de 43 estudantes em 2014, quando comandava um batalhão no município de Iguala, estado de Guerrero, onde o fato ocorreu, anunciou o governo nesta quinta-feira.

“Há três detidos, entre eles o comandante do 27º batalhão de infantaria no momento dos fatos", informou o subsecretário de Segurança, Ricardo Mejía, durante a entrevista coletiva diária do presidente Andrés Manuel López Obrador. Segundo Mejía, os outros presos também são militares.

O subsecretário não detalhou quando as prisões ocorreram, nem revelou a identidade dos acusados, mas a imprensa local e a defesa dos familiares identificaram um dos detidos como sendo o general de brigada José Rodríguez Pérez. Trata-se de um dos militares que, "com ações, omissões ou participação", permitiram o desaparecimento dos 43 estudantes e o homicídio de outras seis pessoas, segundo o relatório de uma comissão formada pelo governo López Obrador para esclarecer o caso.

A captura acontece depois que, no mês passado, a Justiça ordenou a prisão de 20 comandantes militares e 44 policiais supostamente envolvidos no chamado caso Ayotzinapa. Mejía informou que o governo irá impugnar uma sentença que ordenou a absolvição do ex-prefeito de Iguala José Luis Abarca, um dos acusados pelo sequestro dos estudantes, e 19 outros envolvidos

O subsecretário acrescentou que irá apresentar uma queixa ao Conselho de Magistratura Federal contra o juiz que proferiu a sentença, identificado pela comissão governamental como Samuel Ventura Ramos, que acumula 98 decisões exonerando acusados dos eventos em Iguala.

O desaparecimento ocorreu entre a noite de 26 de setembro e a madrugada de 27 de setembro de 2014, quando os estudantes tentavam se apoderar de ônibus em Iguala para viajar à Cidade do México e participar de manifestações.

Os jovens foram detidos por policiais em conluio com o cartel Guerreros Unidos, que os teriam assassinado ao confundi-los com membros de um grupo rival. Os restos mortais de apenas três vítimas foram identificados até o momento.

jla/axm/ltl/lb