General Heleno, crítico do Centrão em 2018, falta à convenção de Bolsonaro, tomada por políticos do bloco

Um dos destaques da campanha política de Bolsonaro em 2018, o general Augusto Heleno não foi visto na convenção do PL, que confirmou a candidatura do presidente à reeleição, no Maracanãzinho, neste domingo. Há quatro anos, o general ficou famoso por fazer uma crítica aos políticos de Centro: "se gritar pega o Centrão, não fica um, meu irmão", também durante convenção que oficializou Bolsonaro como candidato. Desta vez, o presidente trocou o aliado militar pelos políticos do bloco..

Guerra cibernética: TSE trabalha com previsão de ataque hacker no dia da eleição

Após substituir “ladrão” por "centrão" na letra original da música "Reunião de bacana (Se gritar pega ladrão", o general já tinha, no ano passado, se referido ao episódio como uma "brincadeira". O ministro do gabinete de Segurança Institucional afirmou ainda que mudou de opinião sobre o grupo.

Cruzada sem fim: Bolsonaro deve ser investigado por ataques às urnas em reunião, avaliam procuradores

O governo de Bolsonaro, atualmente, tem grande participação de políticos de Centro. O discurso escrito para o candidato à reeleição na convenção deste domingo, aliás, teve exaltações ao presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL).

Ao contrário das recomendações do Centrão, no entanto, Bolsonaro não conteve ataques ao Supremo Tribunal Federal. E conclamou os presentes a um ato, no dia 7 de setembro, chamando os ministros do STF de “surdos de capa preta”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos