General Villas Bôas deixa cargo de assessor especial no governo Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas deixou o cargo de Assessor Especial do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. A exoneração do general foi a pedido e saiu em edição extra do Diário Oficial da União nesta terça-feira.

Villas Bôas foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o cargo quando deixou o comando do Exército depois de quatro anos, em 2019. Mesmo depois, ele continuou sendo considerado uma das principais lideranças nas Forças Armadas.

O general assumiu o comando do Exército a convite da então presidente Dilma Rousseff, em janeiro de 2015, e permaneceu no cargo mesmo após o impeachment. Depois, passou a integrar a equipe do GSI, responsável pela segurança do presidente e ações de inteligência do governo.

Meses depois de ter deixado o comando do Exército, ele precisou passar dez dias hospitalizado. À época, Bolsonaro chegou a interromper a agenda para visitar o general em casa. Na ocasião, ele foi chamado de "patriota acima de tudo" pelo presidente.

A saúde de Villas Bôas vem inspirando preocupação desde 2017, quando ele anunciou que sofre de esclerose múltipla lateral, doença degenerativa que compromete o sistema motor. No dia 2 de outubro, ele foi internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, onde foi submetido a um exame de broncoscopia e encaminhado à UTI. Villas Bôas foi então transferido para o Hospital Sírio Libanês.

No dia 10, foi submetido a uma traqueostomia (procedimento para facilitar a respiração).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos