Bolívia recria vitória sobre Chile em apoio à reivindicação de acesso ao mar

Luis Ángel Reglero.

Canchas Blancas (Bolívia), 28 mar (EFE).- O exército da Bolívia recriou nesta quarta-feira uma vitória sobre o Chile na Guerra do Pacífico, há 139 anos, como encerramento de sua campanha em apoio à reivindicação boliviana de acesso ao mar ao país vizinho.

A planície de Canchas Blancas, no oeste do país, foi o palco da recriação da batalha na qual soldados, indígenas e camponeses bolivianos contiveram o avanço do Chile na disputa de 1879, na qual a Bolívia perdeu a saída para o mar.

"Indiozinhos e soldadinhos salvaram a pátria", proclamou o presidente da Bolívia, Evo Morales, que dirigiu a encenação como chefe de Estado e das Forças Armadas do país.

O diário de um coronel descoberto no ano passado revelou detalhes antes desconhecidos, como 400 soldados bolivianos e outros tantos indígenas e camponeses armados apenas com facões, paus e pedras que derrotaram cerca de 1.500 militares chilenos com cavalaria e artilharia em seu avanço ao Paraguai.

A luta em Canchas Blancas deixou mais de 300 mortos em um confronto considerado heroico na Bolívia, por um "espírito vitorioso" que o exército do país espera que se repita na sentença que será ditada em Haia (Holanda).

Morales se perguntou como, mais de um século depois, ambos os países continuam confrontados, sem relações diplomáticas em nível de embaixador desde 1978 e com conflitos no tribunal da Haia.

O presidente boliviano lamentou que "a oligarquia chilena" ainda tenha uma "mentalidade colonial" que dificulta a resolução destas disputas.

A recriação foi realizada hoje para coincidir com a conclusão da fase de alegações orais deste processo na Corte Internacional de Justiça das Nações Unidas com sede na Haia.

As alegações são consideradas a etapa final do pedido apresentado em 2013 pela Bolívia para que o tribunal obrigue o Chile a negociar o acesso ao mar perdido nessa guerra.

Desde último dia 14 de fevereiro, data em que a Bolívia lembra a "invasão" chilena, o governo, com apoio do exército boliviano, realizou uma campanha de apoio a esta causa, que se intensificou no último dia 19 com o início das alegações. EFE