George Russel, da Mercedes, vence o Grande Prêmio de São Paulo e marca primeira vitória da carreira

O piloto inglês George Russel, de 24 anos, fez história no Grande Prêmio de São Paulo: ele venceu a corrida, que marcou os 50 anos da Fórmula 1 no Brasil, e cravou a primeira vitória de sua carreira, depois de estrear em 2019. A prova marcou uma dobradinha da Mercedes: Lewis Hamilton chegou em segundo lugar, feito que ainda não havia sido registrado entre ambos. Completando o pódio, em terceiro, ficou Carlos Sainz, da Ferrari.

Novidade: São Paulo teve a terceira Sprint Race da temporada. Entenda

- Que sensação incrível. Muito obrigado a toda a equipe por tornar isso possível. Esta temporada tem sido uma montanha-russa emocional - afirmou Russel após a prova.

O britânico saiu na pole e manteve a primeira posição com tranquilidade durante toda a prova, liderando de ponta a ponta. Já Hamilton teve uma corrida de recuperação, depois de uma batida com Max Verstappen, da Red Bull, ainda no início da corrida. O Grande Prêmio de São Paulo foi marcado por diversos acidentes e por muitas ultrapassagens.

O safety car entrou na pista e a bandeira amarela foi acionada logo na primeira volta depois que o australiano Daniel Ricciardo, da McLaren, bateu em Kevin Magnussem, da equipe Hass na curva do Pinheirinho. Com Magnussen à frente, Ricciardo acertou o lado traseiro direito do dinamarquês, que acabou rodando. Sem ter controle do carro, a Haas acertou a McLaren e os dois abandonaram a prova.

Foi um resultado ruim para Magnussen que tinha sido o pole-position na Sprint Race, corrida classificatória de sábado, quando marcou sua primeira vitória na carreira. Já para o público brasileiro, a saída de Ricciardo foi uma decepção.

O australiano é querido dos torcedores e no desfile de pilotos usou a camiseta da seleção brasileira. Pode ter sido a última corrida de Ricciardo no Brasil, e a penúltima de sua carreira, já que ele não deve correr em 2023.

Depois que a bandeira verde foi acionada e os pilotos foram liberados para ultrapassagens, na oitava volta, o holandês Max Verstappen forçou uma ultrapssagem em Lewis Hamilton e os dois bateram. O britânico saiu da pista e Verstappen teve o bico do carro danificado e foi para os boxes para trocá-lo.

Hamilton estava em segundo a Verstappen em terceiro. Como Hamilton também é adorado pelo público brasileiro, tendo inclusive ganhado título de cidadão brasileiro, Verstappen foi vaiado pelas arquibancadas quando passou pelo S do Senna. O atual campeão desta temporada foi punido com 5 segundos e caiu para a 17ª posição, penúltimo lugar.

- O que eles queriam que eu fizesse? - questionou Verstappen pelo rádio sobre a penalidade dada pelos juízos.

Na mesma volta, Lando Norris, da McLaren, o aniversariante do dia, bateu em Charles Leclerc, da Ferrari. Leclerc perdeu o controle e acabou colidindo com a proteção de pneus. Ele quebrou asa dianteira do carro e foi para os boxes. Voltou na última posição. As imagens do autódromo mostraram que o piloto da McLaren tocou a zebra no Laranjinha, perdeu a dianteira e acertou Leclerc, que rodou e bateu.

Norris também recebeu cinco segundos de punição. Ele, que completou 23 anos e sofreu uma indisposição estomacal neste final de semana, teve problemas na volta 53 e a McLaren parou. O britânico abandonou a prova e o safety car entrou novamente porque o carro ficou em local perigoso. Foi um final de semana ruim para a McLaren, já que seus dois pilotos abandonaram a prova.

Safety car por duas vezes

Com a entrada do safety car novamente, Hamilton pode se aproximar de Russell. Mas o safety car só saiu da pista na volta 59, o que provocou reclamações de alguns pilotos, e Russel se manteve à frente de Hamilton, sem ser pressionado, até receber a bandeirada. Na cerimônia de premiação, o britânico se emocionou com o hino inglês e o público invadiu a pista para acompanhar a subida ao pódio.

Já faltando pouco para o final, na volta 64, Carlos Sainz, da Ferrari, passou o mexicano Sergio Perez, da Red Bull, e, na sequência, Leclerc também o ultrapassou. Ao final da corrida, Sainz ficou com o terceiro lugar e Leclerc com o quarto.

O campeão da temporada, Max Verstappen, acabou a prova em sexto lugar e Pérez em sétimo. Na quinta posição, ficou o espanhol e bicampeão da F1, Fernando Alonso, da equipe Alpine, que foi um dos destaques da corrida ao ganhar 12 posições.

O último Grande Prêmio da temporada acontece em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, no próximo domingo, dia 20.

Recorde de público

O Grande Prêmio de São Paulo começou com uma temperatura de 24 graus, mas na pista a sensação era de 53 graus. Mesmo com o calor e o campeonato já decidido, o público lotou as arquibancadas neste domingo. Nos três dias de prova, segundo a organização, foram registradas 235,6 mil pessoas, 28% a mais do que no ano passado, um novo recorde para Interlagos. No final da corrida, o tempo fechou, mas não houve chuva.

A organização do GP de São Paulo já anunciou a abertura da venda de ingressos para a edição 2023 da prova a partir da próxima semana.