Georgianos culpam governo por decisão da UE de não dar estatuto de candidato

Georgianos culpam governo por decisão da UE de não dar estatuto de candidato

Na Geórgia, milhares de pessoas saíram às ruas para pedir a demissão do governo liderado por Irakli Garibashvili, depois dos Estados-membros da União Europeia terem garantido o estatuto de países candidatos à Ucrânia e à Moldávia, mas não à Geórgia. O Conselho Europeu limitou-se, na cimeira dos 27, a reconhecer a perspetiva europeia do país

O escritor Lasha Bugadze participou nos protestos e disse que "os cidadãos da Geórgia estão a lutar pelo futuro europeu do país, pela União Europeia e pela sobrevivência da Geórgia no seio da União, algo que está a ser posto em causa pela oligarquia e por um oligarca em especial, Bidzina Ivanishvili".

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, disse que o estatuto de país candidato seria concedido à Geórgia assim que o país tivesse satisfeito uma lista de condições estabelecida por Bruxelas. O país está dominado por fortes tensões políticas entre o governo e a oposição. O primeiro-ministro já prometeu encetar um diálogo com vista a acabar com a polarização política do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos