Geraldo Alckmin teve participação no escândalo da merenda?

Débora Melo
Esquema desviou verbas da merenda de contratos com a Secretaria da Educação da gestão Alckmin.

O escândalo que ficou conhecido como "máfia da merenda" foi descoberto em janeiro de 2016, quando o Ministério Público Estadual e a Polícia Civil do Estado de São Paulo deflagraram a Operação Alba Branca, para apurar um esquema de superfaturamento no fornecimento de alimentos para merenda escolar da rede pública.

A investigação identificou desvios em contratos firmados entre a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), de Bebedouro (SP), e a Secretaria de Estado da Educação do governo Geraldo Alckmin (PSDB), além de 22 prefeituras paulistas.

Embora os desvios tenham ocorrido durante o governo Alckmin, o tucano não foi envolvido diretamente no escândalo. O ex-governador, contudo, tem dito em entrevistas que o esquema foi descoberto pelo governo estadual — o que não é verdade.

"Nós que apuramos, nós que punimos", disse Alckmin em entrevista à jornalista Mariana Godoy, da RedeTV!, em 20 de julho. Ele respondia a telespectadores que questionavam a "impunidade dos tucanos". "O problema era na cooperativa, que tinha estelionatários, que foram inclusive punidos", completou o ex-governador.

De acordo com a Polícia Civil, a investigação foi deflagrada a partir da denúncia formal de um ex-funcionário da Coaf. Além disso, ao contrário do que diz o ex-governador, o esquema foi muito além da cooperativa e chegou à Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) e à Secretaria de Estado da Educação.

Em janeiro de 2018, após 2 anos de investigação, o Ministério Público denunciou o deputado estadual e ex-presidente da Alesp Fernando Capez (PSDB) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na máfia da merenda. Também foram denunciados Fernando Padula Novaes, ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação; Dione Maria Di Pietro, ex-coordenadora da Educação; e mais 6 pessoas, entre assessores, lobistas e cooperados.

A denúncia contra Capez foi aceita pela Justiça em maio e, com isso, o deputado tornou-se réu...

Continue a ler no HuffPost