Gestão Covas diz que não vai relaxar quarentena a partir de 10 de maio em SP

ARTUR RODRIGUES
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 29.04.2020 - Covas e Doria visitam hospital de campanha no Ibirapuera. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, afirmou nesta quinta-feira (30) que já há uma decisão tomada para não haver relaxamento da quarentena em São Paulo a partir de 10 de maio.

O governo estadual havia anunciado que haveria reabertura a partir desta data, de acordo com índices de cada região. No entanto, os sinais do governo paulistano é que pode acontecer um maior endurecimento.

"A curva de óbitos e confirmação é crescente. Ela vinha acontecendo numa velocidade menor, mas na última semana sobretudo a gente vê claramente que a velocidade aumentou muito. Esses números nos fazem acreditar que as medidas de isolamento não têm que ser arrefecidas, nós temos que permanecer com essas medidas", afirmou o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, em live com vereadores paulistanos na manhã desta quinta.

Mais cedo, Aparecido afirmou posicionamento similar à TV Globo. "Já há uma decisão tomada, nós não temos como relaxar as medidas de isolamento a partir do dia 10 de maio. Na capital é absolutamente impossível fazermos isso, ao contrário, nós estamos iniciando uma discussão na prefeitura para que a gente possa fortalecer algumas dessas medidas para que a gente consiga fazer com que o isolamento na cidade possa crescer desse patamar de 48%", afirmou o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

Segundo ele, a prefeitura ainda estuda medidas adicionais de endurecimento. Um dos pontos que a prefeitura estuda é fazer bloqueios em grandes avenidas.

O governador João Doria (PSDB) afirmou na quarta também que, na atual situação, será impossível fazer o relaxamento previsto. "Numa taxa de isolamento de 48%, não há menor condição de flexibilização de isolamento, com os riscos de colapso no atendimento público nos hospitais."

Na quarta, o governador e o prefeito Bruno Covas anunciaram a obrigatoriedade do uso de máscaras em ônibus, táxis e carros de aplicativos de carona no estado de São Paulo. A regra vale a partir do dia 4 de maio. Trata-se de mais uma medida no sentido de endurecer a quarentena.