Gestão de Queiroga será mais voltada para a 'questão da medicina', diz Bolsonaro

RICARDO DELLA COLLETA
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (22) que a gestão de Marcelo Queiroga à frente do Ministério da Saúde será mais voltada para "a questão da medicina". Queiroga deve substituir o general Eduardo Pazuello, mas ainda não foi efetivado no cargo —a posse deve ocorrer nesta quinta-feira (25). "[Tenho] orgulho de ter o ministro Pazuello, o trabalho que fez no tocante à vacina. O novo que está entrando agora é um médico, experiente. Vai obviamente fazer um segundo tempo de um ministério voltado muito mais —muito mais agora do que era— para a questão da medicina. Mas temos ainda a cura do vírus, estamos buscando. Estamos fazendo parcerias com outros países. O Brasil brevemente vai fabricar e exportar vacinas", declarou Bolsonaro, em cerimônia no Palácio do Planalto. A indicação de Queiroga como novo ministro da Saúde foi anunciada por Bolsonaro em 15 de março. De acordo com interlocutores, dois problemas ainda precisam ser resolvidos para que a posse ocorra. Primeiro, o novo ministro precisa se desligar de uma clínica da qual ele ainda consta no site da Receita Federal como sócio-administrador. A lei 8.112, de 1990, diz que o servidor público é proibido participar de gerência ou administração de sociedade privada. Além disso, o governo ainda não conseguiu definir onde alocará Pazuello quando ele deixar o comando da Saúde. Entre as opções está sua nomeação para um novo ministério. Na cerimônia desta segunda, no Planalto, Bolsonaro voltou a defender a gestão do governo na pandemia. O presidente disse ser contrário à adoção de um lockdown no país, como sugeriu um grupo de economistas em carta divulgada no fim de semana. Os signatários pediram medidas mais eficazes no enfrentamento à Covid-19 e acusaram o governo federal de sabotar as medidas de restrição. "Vamos buscar uma maneira de melhor anteder a população, vamos. Parece que no mundo todo só no Brasil está morrendo gente. Lamento o número de mortes, qualquer morte", disse o presidente. O Brasil responde por 23% das mortes de Covid registradas no mundo inteiro. "Se ficar em lockdown por 30 dias acabar com vírus eu topo. Sabemos que não vai acabar", acrescentou. "Eu devo mudar o meu discurso? Eu devo me tornar mais maleável, eu devo ceder? Fazer igual a grande maioria está fazendo? Se me convencerem do contrário, faço. Mas não me convenceram ainda. Devemos lutar contra o vírus, e não contra o presidente." Bolsonaro enfrenta forte desgaste pela resposta à pandemia, que está em seu momento mais crítico no Brasil. A última semana foi a mais letal da Covid-19 no país, como registro de 15.788 mortes pela doença. No domingo (21), a média móvel dos sete dias de óbitos pelo vírus chegou a 2.255, o 23º recorde seguido. O pico da pandemia no Brasil e o ritmo lento da vacinação no país tiveram impacto na popularidade do governo. Pesquisa Datafolha apontou que 54% dos brasileiros veem a atuação de Bolsonaro no combate à pandemia e seus efeitos como ruim ou péssima. No levantamento anterior, 48% reprovavam o trabalho de Bolsonaro na pandemia.